Publicado em 11/07/2011 as 12:00am

Indígena bate Eike em ranking de empresários mais criativos

A revista online Fast Company incluiu em sua lista dos 100 empresários mais criativos de 2011 o chefe Almir Narayamoga, da terra indígena Sete de Setembro, localizada na divisa entre Rondônia e Mato Grosso, que pertence ao povo paiter. Almir aparece na 53

A revista online Fast Company incluiu em sua lista dos 100 empresários mais criativos de 2011 o chefe Almir Narayamoga, da terra indígena Sete de Setembro, localizada na divisa entre Rondônia e Mato Grosso, que pertence ao povo paiter. Almir aparece na 53ª posição, à frente de Eike Batista (58ª posição), oitavo homem mais rico do mundo segundo a revista Forbes. Almir foi incluído no ranking, segundo a publicação, por ter implantado com o Google um sistema de monitoramento móvel do território indígena. Foram mapeados em três dimensões na ferramenta Google Earth, através de smartphones, os locais de caça, pesca e culto, árvores e locais sagrados e toda a área verde da terra indígena, na tentativa de conter e denunciar o desmatamento ilegal. O objetivo, conta Almir, é preservar a mata para poder entrar no mercado de crédito de carbono.

No mercado de carbono, cada t de CO2 que uma entidade deixa de emitir na atmosfera dá direito a um crédito em dólares, que pode ser negociado com outras empresas ou na bolsa de valores. Evitando o desmatamento e promovendo o reflorestamento contínuo, os paiter tentam garantir um estoque de carbono para venda, já que as árvores absorvem gases de efeito estufa e "economizam" em emissão de CO2. O chefe indígena diz que é mais um líder do seu povo do que um empreendedor. "Também tenho que pensar no futuro do povo paiter, e isso exige planejamento de todo um território, preservação da cultura, educação, saúde, alternativas econômicas, proteção ambiental, estudos e pesquisas para o desenvolvimento", afirma Almir.

Ele contou a história de seu povo ao Google durante uma visita a São Francisco, onde está o escritório do site. "Perguntei como eles poderiam nos ajudar nesta proteção. Assim, marcamos uma entrevista de meia hora, acabei ficando quase três, e logo depois iniciamos a parceria", diz. A equipe do Google foi, então, a Cacoal, em Rondônia, para dar o curso de Novas Ferramentas aos índios.

Sobre a 53ª posição no ranking, à frente do empresário Eike Batista (58º), Almir disse ter ficado surpreso. "Até porque ele é muito rico e conhecido, eu sou apenas um indígena que luta pela proteção da floresta e pelo equilíbrio climático. Dá pra ver que o mundo está mudando e diminuindo o preconceito", diz.

O 1º lugar da lista da Fast Company coube ao jornalista Wadah Khanfar, da rede de notícias Al Jazeera, que cobriu a derrubada do ditador Hosni Mubarak do poder no Egito. Eike Batista é citado pelos investimentos que pretende fazer no Rio de Janeiro para a Copa do Mundo de Futebol de 2014. A lista ainda conta com outro brasileiro, o publicitário Nizan Guanaes, que quer elevar seu Grupo ABC do atual 20º lugar para o 9º no ranking de maiores agências do mundo antes de 2016. 

Google Earth, através de smartphones, os locais de caça, pesca e culto, árvores e locais sagrados e toda a área verde da terra indígena, na tentativa de conter e denunciar o desmatamento ilegal. O objetivo, conta Almir, é preservar a mata para poder entrar no mercado de crédito de carbono.

No mercado de carbono, cada t de CO2 que uma entidade deixa de emitir na atmosfera dá direito a um crédito em dólares, que pode ser negociado com outras empresas ou na bolsa de valores. Evitando o desmatamento e promovendo o reflorestamento contínuo, os paiter tentam garantir um estoque de carbono para venda, já que as árvores absorvem gases de efeito estufa e "economizam" em emissão de CO2. O chefe indígena diz que é mais um líder do seu povo do que um empreendedor. "Também tenho que pensar no futuro do povo paiter, e isso exige planejamento de todo um território, preservação da cultura, educação, saúde, alternativas econômicas, proteção ambiental, estudos e pesquisas para o desenvolvimento", afirma Almir.

Ele contou a história de seu povo ao Google durante uma visita a São Francisco, onde está o escritório do site. "Perguntei como eles poderiam nos ajudar nesta proteção. Assim, marcamos uma entrevista de meia hora, acabei ficando quase três, e logo depois iniciamos a parceria", diz. A equipe do Google foi, então, a Cacoal, em Rondônia, para dar o curso de Novas Ferramentas aos índios.

Sobre a 53ª posição no ranking, à frente do empresário Eike Batista (58º), Almir disse ter ficado surpreso. "Até porque ele é muito rico e conhecido, eu sou apenas um indígena que luta pela proteção da floresta e pelo equilíbrio climático. Dá pra ver que o mundo está mudando e diminuindo o preconceito", diz.

O 1º lugar da lista da Fast Company coube ao jornalista Wadah Khanfar, da rede de notícias Al Jazeera, que cobriu a derrubada do ditador Hosni Mubarak do poder no Egito. Eike Batista é citado pelos investimentos que pretende fazer no Rio de Janeiro para a Copa do Mundo de Futebol de 2014. A lista ainda conta com outro brasileiro, o publicitário Nizan Guanaes, que quer elevar seu Grupo ABC do atual 20º lugar para o 9º no ranking de maiores agências do mundo antes de 2016. 

Fonte: terra.com.br