Publicado em 26/07/2011 as 12:00am

Saiba evitar golpes financeiros como o da novela "Insensato Coração"

Promessas de ganhos fáceis e polpudos em aplicações financeiras já enganaram muita gente na vida real. Um caso famoso recentemente foi o de Bernard Madoff, que montou um esquema de pirâmide financeira. O prejuízo é estimado em cerca de US$ 65 bilhões. Exe

Promessas de ganhos fáceis e polpudos em aplicações financeiras já enganaram muita gente na vida real. Um caso famoso recentemente foi o de Bernard Madoff, que montou um esquema de pirâmide financeira. O prejuízo é estimado em cerca de US$ 65 bilhões. Exemplo similar ocorreu em Minas Gerais.

Na novela “Insensato Coração”, da TV Globo, o vilão Horácio Cortez (Herson Capri) é justamente um banqueiro que desvia dinheiro de seus clientes, atraídos pela suposta possibilidade de grandes lucros.

A aspirante a socialite Eunice, vivida por Deborah Evelyn, investiu todo o dinheiro da família (R$ 300 mil) no Banco Andrade Cortez.

Por conta das operações ilegais do presidente do banco, no entanto, os recursos da instituição foram bloqueados e Eunice corre o risco de perder o pé de meia e ficar ainda mais longe da tão sonhada elite.

Afinal, como evitar cair num golpe desses?

Analistas ensinam os investidores a não caírem em golpes como esse. A regra de ouro é: diversificar os investimentos. “É prática do mercado não colocar todos os ovos no mesmo cesto”, afirma Nelson de Sousa, professor de Finanças do Ibmec. Se os recursos de Eunice estivessem em várias aplicações, ela provavelmente não perderia tudo.

Outro cuidado que o aspirante a investidor deve ter é conversar com pessoas do mercado que conheçam as instituições financeiras e sua reputação –seja um amigo, ou mesmo o gerente do banco–, aconselha Daniel Miraglia, sócio da consultoria eyesonfuture e professor de Finanças da BSP.

É essencial também ler com muita atenção o contrato do fundo de investimento –ou pedir para alguém de confiança ler. Além disso, vale a pena avaliar o histórico do fundo de investimento e se ele corresponde ao que está descrito no prospecto.

Miraglia também aconselha dar preferências a fundos que passem por auditoria e que façam divulgação pública de informações. “É mais uma garantia”, diz ele.

Mas Sousa diz que “no mundo de hoje não existe segurança absoluta”. Há uma relação direta entre rentabilidade e risco: quanto maior a possibilidade de lucro, maior o risco que se corre também.

Por isso, o investidor menos experiente e que não quer correr risco deve dar preferência a aplicações clássicas e mais seguras, como Títulos do Tesouro Nacional ou mesmo o CDB (certificado de depósito bancário) de um grande banco.

Conheça o fundo a fundo

O investidor precisa certificar-se de que um fundo de investimento é sério. O primeiro passo é checar na Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (Anbima) se o fundo está registrado lá.

Também é importante entender como os fundos funcionam. A Anbima, por exemplo, tem uma cartilha eletrônica que ajuda o investidor.

Finalmente, é preciso fazer uma pesquisa na CVM (Comissão de Valores Mobiliários) e saber quem são os gestores do fundo. A CVM é a instituição que regula o mercado de capitais brasileiro.

Desconfie do lucro fácil

Quando a rentabilidade está acima do padrão, é melhor desconfiar, adverte Daniel Miraglia. Mas como saber se a rentabilidade está acima da média?

1) Para fundos atrelados à Renda Fixa: os fundos de renda fixa podem ser pós-fixados (atrelados ao CDI), prefixados, ou mistos. Isso tudo tem que estar definido no prospecto do fundo, que deve ser entregue ao investidor antes de ele fazer a aplicação.

os fundos de renda fixa podem ser pós-fixados (atrelados ao CDI), prefixados, ou mistos. Isso tudo tem que estar definido no prospecto do fundo, que deve ser entregue ao investidor antes de ele fazer a aplicação.

- O investidor pode verificar qual a variação do CDI (Certificado de Depósito Interbancário) no site da Cetip (integradora do mercado financeiro).

- Como não existe um índice geral de fundos prefixados, o investidor precisa acompanhar o rendimento em relação ao próprio CDI: os fundos prefixados vão render menos que o CDI quando a taxa Selic estiver em alta, e vão render mais que o CDI quando os juros estiverem em baixa.

2) Para fundos atrelados a ações: em geral e na grande maioria, esses fundos seguem um índice, que deve ser informado no prospecto do fundo – por exemplo, Ibovespa ou IBX50.

No caso de fundos que não seguem um índice, o investidor não tem uma referência tão clara. Trata-se de fundos mais arriscados, em que o administrador do fundo tem mais liberdade.

3) Para fundos livres: As cotas dos fundos têm, obrigatoriamente, que ser divulgadas publicamente para os investidores dentro de um prazo específico, definido dentro do prospecto.

As cotas dos fundos têm, obrigatoriamente, que ser divulgadas publicamente para os investidores dentro de um prazo específico, definido dentro do prospecto.

O investidor de um fundo de um banco grande ou de um ativo grande deve ter uma senha de seu home broker (sistema de investimento pela internet). Dentro desse sistema eletrônico, o investidor vai ter acesso à cota diária do fundo no qual está investindo.

Em geral, os fundos publicam em seus sites a cota diária. Essas são informações úteis para os atuais investidores, e para quem quer avaliar o fundo antes de investir.

O investidor deve pedir ao banco ou instituição que administra o fundo para ter acesso ao histórico de suas cotas. Também deve perguntar se essa cota é divulgada publicamente em algum outro lugar, ou apenas no site da instituição. A divulgação pública desses dados é mais uma garantia para o investidor.

Vale a pena ficar atento a oscilações muito grandes de cotas. “Se tem uma oscilação de 1% para 30%, por exemplo, isso pode ser um indício de que a instituição não está aplicando nos ativos que está dizendo”, alerta Miraglia.

Fiscalização

A boa notícia para o investidor é que o mercado financeiro no Brasil é altamente fiscalizado. Qualquer assunto que interfira em investimentos tem uma regra determinada pela CVM.

A entidade avisa que o investidor deve verificar se o intermediário está autorizado a ofertar investimentos ao público. Na página de "legislação e regulamentação", deve se optar pelo item "deliberações", onde estão as informações da CVM sobre irregularidades.

A CVM publica também notificações sobre entidades irregulares em seu site. O órgão também publica alertas e comunicados ao mercado.

É importante checar as informações. A CVM já identificou casos de golpistas que utilizam o nome de uma instituição registrada, mas com telefone diferente, por exemplo.

Os agentes autônomos, que atuam aproximando os investidores das corretoras, também devem ser registrados na CVM.

A Central de Atendimento da CVM também está disponível pelo telefone 0800-722-5354, de segunda a sexta-feira, das 8h às 20 horas.

em geral e na grande maioria, esses fundos seguem um índice, que deve ser informado no prospecto do fundo – por exemplo,

Na novela “Insensato Coração”, da TV Globo, o vilão Horácio Cortez (Herson Capri) é justamente um banqueiro que desvia dinheiro de seus clientes, atraídos pela suposta possibilidade de grandes lucros.

A aspirante a socialite Eunice, vivida por Deborah Evelyn, investiu todo o dinheiro da família (R$ 300 mil) no Banco Andrade Cortez.

Por conta das operações ilegais do presidente do banco, no entanto, os recursos da instituição foram bloqueados e Eunice corre o risco de perder o pé de meia e ficar ainda mais longe da tão sonhada elite.

Afinal, como evitar cair num golpe desses?

Analistas ensinam os investidores a não caírem em golpes como esse. A regra de ouro é: diversificar os investimentos. “É prática do mercado não colocar todos os ovos no mesmo cesto”, afirma Nelson de Sousa, professor de Finanças do Ibmec. Se os recursos de Eunice estivessem em várias aplicações, ela provavelmente não perderia tudo.

Outro cuidado que o aspirante a investidor deve ter é conversar com pessoas do mercado que conheçam as instituições financeiras e sua reputação –seja um amigo, ou mesmo o gerente do banco–, aconselha Daniel Miraglia, sócio da consultoria eyesonfuture e professor de Finanças da BSP.

É essencial também ler com muita atenção o contrato do fundo de investimento –ou pedir para alguém de confiança ler. Além disso, vale a pena avaliar o histórico do fundo de investimento e se ele corresponde ao que está descrito no prospecto.

Miraglia também aconselha dar preferências a fundos que passem por auditoria e que façam divulgação pública de informações. “É mais uma garantia”, diz ele.

Mas Sousa diz que “no mundo de hoje não existe segurança absoluta”. Há uma relação direta entre rentabilidade e risco: quanto maior a possibilidade de lucro, maior o risco que se corre também.

Por isso, o investidor menos experiente e que não quer correr risco deve dar preferência a aplicações clássicas e mais seguras, como Títulos do Tesouro Nacional ou mesmo o CDB (certificado de depósito bancário) de um grande banco.

Conheça o fundo a fundo

O investidor precisa certificar-se de que um fundo de investimento é sério. O primeiro passo é checar na Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (Anbima) se o fundo está registrado lá.

Também é importante entender como os fundos funcionam. A Anbima, por exemplo, tem uma cartilha eletrônica que ajuda o investidor.

Finalmente, é preciso fazer uma pesquisa na CVM (Comissão de Valores Mobiliários) e saber quem são os gestores do fundo. A CVM é a instituição que regula o mercado de capitais brasileiro.

Desconfie do lucro fácil

Quando a rentabilidade está acima do padrão, é melhor desconfiar, adverte Daniel Miraglia. Mas como saber se a rentabilidade está acima da média?

1) Para fundos atrelados à Renda Fixa: os fundos de renda fixa podem ser pós-fixados (atrelados ao CDI), prefixados, ou mistos. Isso tudo tem que estar definido no prospecto do fundo, que deve ser entregue ao investidor antes de ele fazer a aplicação.

os fundos de renda fixa podem ser pós-fixados (atrelados ao CDI), prefixados, ou mistos. Isso tudo tem que estar definido no prospecto do fundo, que deve ser entregue ao investidor antes de ele fazer a aplicação.

- O investidor pode verificar qual a variação do CDI (Certificado de Depósito Interbancário) no site da Cetip (integradora do mercado financeiro).

- Como não existe um índice geral de fundos prefixados, o investidor precisa acompanhar o rendimento em relação ao próprio CDI: os fundos prefixados vão render menos que o CDI quando a taxa Selic estiver em alta, e vão render mais que o CDI quando os juros estiverem em baixa.

2) Para fundos atrelados a ações: em geral e na grande maioria, esses fundos seguem um índice, que deve ser informado no prospecto do fundo – por exemplo, Ibovespa ou IBX50.

No caso de fundos que não seguem um índice, o investidor não tem uma referência tão clara. Trata-se de fundos mais arriscados, em que o administrador do fundo tem mais liberdade.

3) Para fundos livres: As cotas dos fundos têm, obrigatoriamente, que ser divulgadas publicamente para os investidores dentro de um prazo específico, definido dentro do prospecto.

As cotas dos fundos têm, obrigatoriamente, que ser divulgadas publicamente para os investidores dentro de um prazo específico, definido dentro do prospecto.

O investidor de um fundo de um banco grande ou de um ativo grande deve ter uma senha de seu home broker (sistema de investimento pela internet). Dentro desse sistema eletrônico, o investidor vai ter acesso à cota diária do fundo no qual está investindo.

Em geral, os fundos publicam em seus sites a cota diária. Essas são informações úteis para os atuais investidores, e para quem quer avaliar o fundo antes de investir.

O investidor deve pedir ao banco ou instituição que administra o fundo para ter acesso ao histórico de suas cotas. Também deve perguntar se essa cota é divulgada publicamente em algum outro lugar, ou apenas no site da instituição. A divulgação pública desses dados é mais uma garantia para o investidor.

Vale a pena ficar atento a oscilações muito grandes de cotas. “Se tem uma oscilação de 1% para 30%, por exemplo, isso pode ser um indício de que a instituição não está aplicando nos ativos que está dizendo”, alerta Miraglia.

Fiscalização

A boa notícia para o investidor é que o mercado financeiro no Brasil é altamente fiscalizado. Qualquer assunto que interfira em investimentos tem uma regra determinada pela CVM.

A entidade avisa que o investidor deve verificar se o intermediário está autorizado a ofertar investimentos ao público. Na página de "legislação e regulamentação", deve se optar pelo item "deliberações", onde estão as informações da CVM sobre irregularidades.

A CVM publica também notificações sobre entidades irregulares em seu site. O órgão também publica alertas e comunicados ao mercado.

É importante checar as informações. A CVM já identificou casos de golpistas que utilizam o nome de uma instituição registrada, mas com telefone diferente, por exemplo.

Os agentes autônomos, que atuam aproximando os investidores das corretoras, também devem ser registrados na CVM.

A Central de Atendimento da CVM também está disponível pelo telefone 0800-722-5354, de segunda a sexta-feira, das 8h às 20 horas.

em geral e na grande maioria, esses fundos seguem um índice, que deve ser informado no prospecto do fundo – por exemplo,

Conheça o fundo a fundo

O investidor precisa certificar-se de que um fundo de investimento é sério. O primeiro passo é checar na Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (Anbima) se o fundo está registrado lá.

Também é importante entender como os fundos funcionam. A Anbima, por exemplo, tem uma cartilha eletrônica que ajuda o investidor.

Finalmente, é preciso fazer uma pesquisa na CVM (Comissão de Valores Mobiliários) e saber quem são os gestores do fundo. A CVM é a instituição que regula o mercado de capitais brasileiro.

Desconfie do lucro fácil

Quando a rentabilidade está acima do padrão, é melhor desconfiar, adverte Daniel Miraglia. Mas como saber se a rentabilidade está acima da média?

1) Para fundos atrelados à Renda Fixa: os fundos de renda fixa podem ser pós-fixados (atrelados ao CDI), prefixados, ou mistos. Isso tudo tem que estar definido no prospecto do fundo, que deve ser entregue ao investidor antes de ele fazer a aplicação.

os fundos de renda fixa podem ser pós-fixados (atrelados ao CDI), prefixados, ou mistos. Isso tudo tem que estar definido no prospecto do fundo, que deve ser entregue ao investidor antes de ele fazer a aplicação.

- O investidor pode verificar qual a variação do CDI (Certificado de Depósito Interbancário) no site da Cetip (integradora do mercado financeiro).

- Como não existe um índice geral de fundos prefixados, o investidor precisa acompanhar o rendimento em relação ao próprio CDI: os fundos prefixados vão render menos que o CDI quando a taxa Selic estiver em alta, e vão render mais que o CDI quando os juros estiverem em baixa.

2) Para fundos atrelados a ações: em geral e na grande maioria, esses fundos seguem um índice, que deve ser informado no prospecto do fundo – por exemplo, Ibovespa ou IBX50.

No caso de fundos que não seguem um índice, o investidor não tem uma referência tão clara. Trata-se de fundos mais arriscados, em que o administrador do fundo tem mais liberdade.

3) Para fundos livres: As cotas dos fundos têm, obrigatoriamente, que ser divulgadas publicamente para os investidores dentro de um prazo específico, definido dentro do prospecto.

As cotas dos fundos têm, obrigatoriamente, que ser divulgadas publicamente para os investidores dentro de um prazo específico, definido dentro do prospecto.

O investidor de um fundo de um banco grande ou de um ativo grande deve ter uma senha de seu home broker (sistema de investimento pela internet). Dentro desse sistema eletrônico, o investidor vai ter acesso à cota diária do fundo no qual está investindo.

Em geral, os fundos publicam em seus sites a cota diária. Essas são informações úteis para os atuais investidores, e para quem quer avaliar o fundo antes de investir.

O investidor deve pedir ao banco ou instituição que administra o fundo para ter acesso ao histórico de suas cotas. Também deve perguntar se essa cota é divulgada publicamente em algum outro lugar, ou apenas no site da instituição. A divulgação pública desses dados é mais uma garantia para o investidor.

Vale a pena ficar atento a oscilações muito grandes de cotas. “Se tem uma oscilação de 1% para 30%, por exemplo, isso pode ser um indício de que a instituição não está aplicando nos ativos que está dizendo”, alerta Miraglia.

Fiscalização

A boa notícia para o investidor é que o mercado financeiro no Brasil é altamente fiscalizado. Qualquer assunto que interfira em investimentos tem uma regra determinada pela CVM.

A entidade avisa que o investidor deve verificar se o intermediário está autorizado a ofertar investimentos ao público. Na página de "legislação e regulamentação", deve se optar pelo item "deliberações", onde estão as informações da CVM sobre irregularidades.

A CVM publica também notificações sobre entidades irregulares em seu site. O órgão também publica alertas e comunicados ao mercado.

É importante checar as informações. A CVM já identificou casos de golpistas que utilizam o nome de uma instituição registrada, mas com telefone diferente, por exemplo.

Os agentes autônomos, que atuam aproximando os investidores das corretoras, também devem ser registrados na CVM.

A Central de Atendimento da CVM também está disponível pelo telefone 0800-722-5354, de segunda a sexta-feira, das 8h às 20 horas.

em geral e na grande maioria, esses fundos seguem um índice, que deve ser informado no prospecto do fundo – por exemplo,

Também é importante entender como os fundos funcionam. A Anbima, por exemplo, tem uma cartilha eletrônica que ajuda o investidor.

Finalmente, é preciso fazer uma pesquisa na CVM (Comissão de Valores Mobiliários) e saber quem são os gestores do fundo. A CVM é a instituição que regula o mercado de capitais brasileiro.

Desconfie do lucro fácil

Quando a rentabilidade está acima do padrão, é melhor desconfiar, adverte Daniel Miraglia. Mas como saber se a rentabilidade está acima da média?

1) Para fundos atrelados à Renda Fixa: os fundos de renda fixa podem ser pós-fixados (atrelados ao CDI), prefixados, ou mistos. Isso tudo tem que estar definido no prospecto do fundo, que deve ser entregue ao investidor antes de ele fazer a aplicação.

os fundos de renda fixa podem ser pós-fixados (atrelados ao CDI), prefixados, ou mistos. Isso tudo tem que estar definido no prospecto do fundo, que deve ser entregue ao investidor antes de ele fazer a aplicação.

- O investidor pode verificar qual a variação do CDI (Certificado de Depósito Interbancário) no site da Cetip (integradora do mercado financeiro).

- Como não existe um índice geral de fundos prefixados, o investidor precisa acompanhar o rendimento em relação ao próprio CDI: os fundos prefixados vão render menos que o CDI quando a taxa Selic estiver em alta, e vão render mais que o CDI quando os juros estiverem em baixa.

2) Para fundos atrelados a ações: em geral e na grande maioria, esses fundos seguem um índice, que deve ser informado no prospecto do fundo – por exemplo, Ibovespa ou IBX50.

No caso de fundos que não seguem um índice, o investidor não tem uma referência tão clara. Trata-se de fundos mais arriscados, em que o administrador do fundo tem mais liberdade.

3) Para fundos livres: As cotas dos fundos têm, obrigatoriamente, que ser divulgadas publicamente para os investidores dentro de um prazo específico, definido dentro do prospecto.

As cotas dos fundos têm, obrigatoriamente, que ser divulgadas publicamente para os investidores dentro de um prazo específico, definido dentro do prospecto.

O investidor de um fundo de um banco grande ou de um ativo grande deve ter uma senha de seu home broker (sistema de investimento pela internet). Dentro desse sistema eletrônico, o investidor vai ter acesso à cota diária do fundo no qual está investindo.

Em geral, os fundos publicam em seus sites a cota diária. Essas são informações úteis para os atuais investidores, e para quem quer avaliar o fundo antes de investir.

O investidor deve pedir ao banco ou instituição que administra o fundo para ter acesso ao histórico de suas cotas. Também deve perguntar se essa cota é divulgada publicamente em algum outro lugar, ou apenas no site da instituição. A divulgação pública desses dados é mais uma garantia para o investidor.

Vale a pena ficar atento a oscilações muito grandes de cotas. “Se tem uma oscilação de 1% para 30%, por exemplo, isso pode ser um indício de que a instituição não está aplicando nos ativos que está dizendo”, alerta Miraglia.

Fiscalização

A boa notícia para o investidor é que o mercado financeiro no Brasil é altamente fiscalizado. Qualquer assunto que interfira em investimentos tem uma regra determinada pela CVM.

A entidade avisa que o investidor deve verificar se o intermediário está autorizado a ofertar investimentos ao público. Na página de "legislação e regulamentação", deve se optar pelo item "deliberações", onde estão as informações da CVM sobre irregularidades.

A CVM publica também notificações sobre entidades irregulares em seu site. O órgão também publica alertas e comunicados ao mercado.

É importante checar as informações. A CVM já identificou casos de golpistas que utilizam o nome de uma instituição registrada, mas com telefone diferente, por exemplo.

Os agentes autônomos, que atuam aproximando os investidores das corretoras, também devem ser registrados na CVM.

A Central de Atendimento da CVM também está disponível pelo telefone 0800-722-5354, de segunda a sexta-feira, das 8h às 20 horas.

em geral e na grande maioria, esses fundos seguem um índice, que deve ser informado no prospecto do fundo – por exemplo,

Finalmente, é preciso fazer uma pesquisa na CVM (Comissão de Valores Mobiliários) e saber quem são os gestores do fundo. A CVM é a instituição que regula o mercado de capitais brasileiro.

Desconfie do lucro fácil

Quando a rentabilidade está acima do padrão, é melhor desconfiar, adverte Daniel Miraglia. Mas como saber se a rentabilidade está acima da média?

1) Para fundos atrelados à Renda Fixa: os fundos de renda fixa podem ser pós-fixados (atrelados ao CDI), prefixados, ou mistos. Isso tudo tem que estar definido no prospecto do fundo, que deve ser entregue ao investidor antes de ele fazer a aplicação.

os fundos de renda fixa podem ser pós-fixados (atrelados ao CDI), prefixados, ou mistos. Isso tudo tem que estar definido no prospecto do fundo, que deve ser entregue ao investidor antes de ele fazer a aplicação.

- O investidor pode verificar qual a variação do CDI (Certificado de Depósito Interbancário) no site da Cetip (integradora do mercado financeiro).

- Como não existe um índice geral de fundos prefixados, o investidor precisa acompanhar o rendimento em relação ao próprio CDI: os fundos prefixados vão render menos que o CDI quando a taxa Selic estiver em alta, e vão render mais que o CDI quando os juros estiverem em baixa.

2) Para fundos atrelados a ações: em geral e na grande maioria, esses fundos seguem um índice, que deve ser informado no prospecto do fundo – por exemplo, Ibovespa ou IBX50.

No caso de fundos que não seguem um índice, o investidor não tem uma referência tão clara. Trata-se de fundos mais arriscados, em que o administrador do fundo tem mais liberdade.

3) Para fundos livres: As cotas dos fundos têm, obrigatoriamente, que ser divulgadas publicamente para os investidores dentro de um prazo específico, definido dentro do prospecto.

As cotas dos fundos têm, obrigatoriamente, que ser divulgadas publicamente para os investidores dentro de um prazo específico, definido dentro do prospecto.

O investidor de um fundo de um banco grande ou de um ativo grande deve ter uma senha de seu home broker (sistema de investimento pela internet). Dentro desse sistema eletrônico, o investidor vai ter acesso à cota diária do fundo no qual está investindo.

Em geral, os fundos publicam em seus sites a cota diária. Essas são informações úteis para os atuais investidores, e para quem quer avaliar o fundo antes de investir.

O investidor deve pedir ao banco ou instituição que administra o fundo para ter acesso ao histórico de suas cotas. Também deve perguntar se essa cota é divulgada publicamente em algum outro lugar, ou apenas no site da instituição. A divulgação pública desses dados é mais uma garantia para o investidor.

Vale a pena ficar atento a oscilações muito grandes de cotas. “Se tem uma oscilação de 1% para 30%, por exemplo, isso pode ser um indício de que a instituição não está aplicando nos ativos que está dizendo”, alerta Miraglia.

Fiscalização

A boa notícia para o investidor é que o mercado financeiro no Brasil é altamente fiscalizado. Qualquer assunto que interfira em investimentos tem uma regra determinada pela CVM.

A entidade avisa que o investidor deve verificar se o intermediário está autorizado a ofertar investimentos ao público. Na página de "legislação e regulamentação", deve se optar pelo item "deliberações", onde estão as informações da CVM sobre irregularidades.

A CVM publica também notificações sobre entidades irregulares em seu site. O órgão também publica alertas e comunicados ao mercado.

É importante checar as informações. A CVM já identificou casos de golpistas que utilizam o nome de uma instituição registrada, mas com telefone diferente, por exemplo.

Os agentes autônomos, que atuam aproximando os investidores das corretoras, também devem ser registrados na CVM.

A Central de Atendimento da CVM também está disponível pelo telefone 0800-722-5354, de segunda a sexta-feira, das 8h às 20 horas.

em geral e na grande maioria, esses fundos seguem um índice, que deve ser informado no prospecto do fundo – por exemplo,

- Como não existe um índice geral de fundos prefixados, o investidor precisa acompanhar o rendimento em relação ao próprio CDI: os fundos prefixados vão render menos que o CDI quando a taxa Selic estiver em alta, e vão render mais que o CDI quando os juros estiverem em baixa.

2) Para fundos atrelados a ações: em geral e na grande maioria, esses fundos seguem um índice, que deve ser informado no prospecto do fundo – por exemplo, Ibovespa ou IBX50.

No caso de fundos que não seguem um índice, o investidor não tem uma referência tão clara. Trata-se de fundos mais arriscados, em que o administrador do fundo tem mais liberdade.

3) Para fundos livres: As cotas dos fundos têm, obrigatoriamente, que ser divulgadas publicamente para os investidores dentro de um prazo específico, definido dentro do prospecto.

As cotas dos fundos têm, obrigatoriamente, que ser divulgadas publicamente para os investidores dentro de um prazo específico, definido dentro do prospecto.

O investidor de um fundo de um banco grande ou de um ativo grande deve ter uma senha de seu home broker (sistema de investimento pela internet). Dentro desse sistema eletrônico, o investidor vai ter acesso à cota diária do fundo no qual está investindo.

Em geral, os fundos publicam em seus sites a cota diária. Essas são informações úteis para os atuais investidores, e para quem quer avaliar o fundo antes de investir.

O investidor deve pedir ao banco ou instituição que administra o fundo para ter acesso ao histórico de suas cotas. Também deve perguntar se essa cota é divulgada publicamente em algum outro lugar, ou apenas no site da instituição. A divulgação pública desses dados é mais uma garantia para o investidor.

Vale a pena ficar atento a oscilações muito grandes de cotas. “Se tem uma oscilação de 1% para 30%, por exemplo, isso pode ser um indício de que a instituição não está aplicando nos ativos que está dizendo”, alerta Miraglia.

Fiscalização

A boa notícia para o investidor é que o mercado financeiro no Brasil é altamente fiscalizado. Qualquer assunto que interfira em investimentos tem uma regra determinada pela CVM.

A entidade avisa que o investidor deve verificar se o intermediário está autorizado a ofertar investimentos ao público. Na página de "legislação e regulamentação", deve se optar pelo item "deliberações", onde estão as informações da CVM sobre irregularidades.

A CVM publica também notificações sobre entidades irregulares em seu site. O órgão também publica alertas e comunicados ao mercado.

É importante checar as informações. A CVM já identificou casos de golpistas que utilizam o nome de uma instituição registrada, mas com telefone diferente, por exemplo.

Os agentes autônomos, que atuam aproximando os investidores das corretoras, também devem ser registrados na CVM.

A Central de Atendimento da CVM também está disponível pelo telefone 0800-722-5354, de segunda a sexta-feira, das 8h às 20 horas.

em geral e na grande maioria, esses fundos seguem um índice, que deve ser informado no prospecto do fundo – por exemplo,

2) Para fundos atrelados a ações: em geral e na grande maioria, esses fundos seguem um índice, que deve ser informado no prospecto do fundo – por exemplo, Ibovespa ou IBX50.

No caso de fundos que não seguem um índice, o investidor não tem uma referência tão clara. Trata-se de fundos mais arriscados, em que o administrador do fundo tem mais liberdade.

3) Para fundos livres: As cotas dos fundos têm, obrigatoriamente, que ser divulgadas publicamente para os investidores dentro de um prazo específico, definido dentro do prospecto.

As cotas dos fundos têm, obrigatoriamente, que ser divulgadas publicamente para os investidores dentro de um prazo específico, definido dentro do prospecto.

O investidor de um fundo de um banco grande ou de um ativo grande deve ter uma senha de seu home broker (sistema de investimento pela internet). Dentro desse sistema eletrônico, o investidor vai ter acesso à cota diária do fundo no qual está investindo.

Em geral, os fundos publicam em seus sites a cota diária. Essas são informações úteis para os atuais investidores, e para quem quer avaliar o fundo antes de investir.

O investidor deve pedir ao banco ou instituição que administra o fundo para ter acesso ao histórico de suas cotas. Também deve perguntar se essa cota é divulgada publicamente em algum outro lugar, ou apenas no site da instituição. A divulgação pública desses dados é mais uma garantia para o investidor.

Vale a pena ficar atento a oscilações muito grandes de cotas. “Se tem uma oscilação de 1% para 30%, por exemplo, isso pode ser um indício de que a instituição não está aplicando nos ativos que está dizendo”, alerta Miraglia.

Fiscalização

A boa notícia para o investidor é que o mercado financeiro no Brasil é altamente fiscalizado. Qualquer assunto que interfira em investimentos tem uma regra determinada pela CVM.

A entidade avisa que o investidor deve verificar se o intermediário está autorizado a ofertar investimentos ao público. Na página de "legislação e regulamentação", deve se optar pelo item "deliberações", onde estão as informações da CVM sobre irregularidades.

A CVM publica também notificações sobre entidades irregulares em seu site. O órgão também publica alertas e comunicados ao mercado.

É importante checar as informações. A CVM já identificou casos de golpistas que utilizam o nome de uma instituição registrada, mas com telefone diferente, por exemplo.

Os agentes autônomos, que atuam aproximando os investidores das corretoras, também devem ser registrados na CVM.

A Central de Atendimento da CVM também está disponível pelo telefone 0800-722-5354, de segunda a sexta-feira, das 8h às 20 horas.

em geral e na grande maioria, esses fundos seguem um índice, que deve ser informado no prospecto do fundo – por exemplo, Ibovespa ou IBX50.

No caso de fundos que não seguem um índice, o investidor não tem uma referência tão clara. Trata-se de fundos mais arriscados, em que o administrador do fundo tem mais liberdade.

3) Para fundos livres: As cotas dos fundos têm, obrigatoriamente, que ser divulgadas publicamente para os investidores dentro de um prazo específico, definido dentro do prospecto.

As cotas dos fundos têm, obrigatoriamente, que ser divulgadas publicamente para os investidores dentro de um prazo específico, definido dentro do prospecto.

O investidor de um fundo de um banco grande ou de um ativo grande deve ter uma senha de seu home broker (sistema de investimento pela internet). Dentro desse sistema eletrônico, o investidor vai ter acesso à cota diária do fundo no qual está investindo.

Em geral, os fundos publicam em seus sites a cota diária. Essas são informações úteis para os atuais investidores, e para quem quer avaliar o fundo antes de investir.

O investidor deve pedir ao banco ou instituição que administra o fundo para ter acesso ao histórico de suas cotas. Também deve perguntar se essa cota é divulgada publicamente em algum outro lugar, ou apenas no site da instituição. A divulgação pública desses dados é mais uma garantia para o investidor.

Vale a pena ficar atento a oscilações muito grandes de cotas. “Se tem uma oscilação de 1% para 30%, por exemplo, isso pode ser um indício de que a instituição não está aplicando nos ativos que está dizendo”, alerta Miraglia.

Fiscalização

A boa notícia para o investidor é que o mercado financeiro no Brasil é altamente fiscalizado. Qualquer assunto que interfira em investimentos tem uma regra determinada pela CVM.

A entidade avisa que o investidor deve verificar se o intermediário está autorizado a ofertar investimentos ao público. Na página de "legislação e regulamentação", deve se optar pelo item "deliberações", onde estão as informações da CVM sobre irregularidades.

A CVM publica também notificações sobre entidades irregulares em seu site. O órgão também publica alertas e comunicados ao mercado.

É importante checar as informações. A CVM já identificou casos de golpistas que utilizam o nome de uma instituição registrada, mas com telefone diferente, por exemplo.

Os agentes autônomos, que atuam aproximando os investidores das corretoras, também devem ser registrados na CVM.

A Central de Atendimento da CVM também está disponível pelo telefone 0800-722-5354, de segunda a sexta-feira, das 8h às 20 horas.

legislação e regulamentação", deve se optar pelo item "deliberações", onde estão as informações da CVM sobre irregularidades.

A CVM publica também notificações sobre entidades irregulares em seu site. O órgão também publica alertas e comunicados ao mercado.

É importante checar as informações. A CVM já identificou casos de golpistas que utilizam o nome de uma instituição registrada, mas com telefone diferente, por exemplo.

Os agentes autônomos, que atuam aproximando os investidores das corretoras, também devem ser registrados na CVM.

A Central de Atendimento da CVM também está disponível pelo telefone 0800-722-5354, de segunda a sexta-feira, das 8h às 20 horas.

alertas e comunicados ao mercado.

É importante checar as informações. A CVM já identificou casos de golpistas que utilizam o nome de uma instituição registrada, mas com telefone diferente, por exemplo.

Os agentes autônomos, que atuam aproximando os investidores das corretoras, também devem ser registrados na CVM.

A Central de Atendimento da CVM também está disponível pelo telefone 0800-722-5354, de segunda a sexta-feira, das 8h às 20 horas.

Fonte: UOL.COM.BR