Publicado em 1/08/2011 as 12:00am

EUA votam hoje acordo que evita calote

O Congresso americano votará nesta segunda-feira um acordo preliminar entre republicanos e democratas que prevê cortes nos gastos governamentais e a elevação do teto da dívida pública americana, atualmente em US$ 14,3 trilhões.

O Congresso americano votará nesta segunda-feira um acordo preliminar entre republicanos e democratas que prevê cortes nos gastos governamentais e a elevação do teto da dívida pública americana, atualmente em US$ 14,3 trilhões.

O acordo, anunciado pelo presidente Barack Obama na noite de domingo, promete encerrar meses de disputas entre os dois principais partidos e tirar o país da rota do que poderia ser um calote sem precedentes.

O governo começaria a ter dificuldade de honrar parte de sua dívida, sem elevação desse limite para novos empréstimos, a partir desta terça-feira.

Segundo Obama, o acordo permitirá "evitar o default (suspensão de pagamentos) e encerrar a crise que Washington impôs ao resto dos Estados Unidos".

O pacote deve passar sem dificuldade pelo Senado, mas enfrentará um caminho mais tortuoso na Câmara de Representantes, onde integrantes do movimento Tea Party já se disseram insatisfeitos com o que foi negociado na noite de domingo. Há oposição também de outros grupos.

O acordo preliminar eleva o teto da dívida, atualmente em US$ 14,3 trilhões, em cerca de US$ 2 trilhões permitindo, assim, que o governo tome novos empréstimos e continue financiando sua dívida até, pelo menos, 2013.

Etapas

Uma das principais exigências dos democratas é que o novo prazo para revisão do teto não caia no ano eleitoral de 2012.

A contrapartida exigida pelos republicanos prevê cortes no déficit público que podem chegar a US$ 2,4 trilhões ao longo da próxima década.

Segundo as negociações, esses cortes seriam feitos em duas etapas e poderiam exigir a criação de um comitê no Congresso que seria responsável por propor as áreas de onde sairiam os recursos.

Em um primeiro momento, os cortes para os próximos 10 anos ficariam em torno de US$ 900 bilhões. O volume adicional de cortes ainda precisa ser determinado.

O acordo afasta o risco de suspensão imediata de pagamentos da dívida, mas não descarta que a avaliação dos títulos da dívida pública americana seja revista para baixo do atual patamar de nota máxima. O mercado aguarda que as três principais agências de risco se pronunciem sobre o conteúdo do que foi negociado.

Mercados

Mercados europeus e asiáticos abriram os pregões em alta nesta segunda-feira, em reação ao anúncio do acordo. O índice FTSE 100 da Bolsa de Londres, teve alta de mais de 1%, enquanto o CAC, da Bolsa de Paris, registrou alta de 1,2%. Na Ásia, o índice Nikkei 225 da Bolsa de Japão, fechou em alta de 1,3%.

Os investidores estão otimistas, acreditando que os EUA conseguirão aumentar o teto de sua dívida, e pagar suas contas.

"Há um alívio muito grande na região", disse P K Basu, da Daiwa Capital Markets. "A espada de Dâmocles foi retirada da cabeça do mercado asiático", disse ele.

As Bolsas de Valores da Ásia e em outras regiões do mundo tiveram performance volátil nos últimos meses, diante do temor que republicanos e democratas não conseguissem um acordo sobre a dívida antes do prazo de 2 de agosto. Analistas afirmam que o otimismo deve continuar nos próximos dias.

Fonte: UOL.COM.BR