Publicado em 19/09/2011 as 12:00am

Classes A e B compram mais produtos piratas que D e E

Desde que a pesquisa da Fecomércio-RJ e da Ipsos começou a ser realizada em 2006, esta é a primeira edição em que mais da metade - 52% - dos consumidores brasileiros assumiu ter comprado produtos piratas em 2011. Em números absolutos, isso representa cerc

Desde que a pesquisa da Fecomércio-RJ e da Ipsos começou a ser realizada em 2006, esta é a primeira edição em que mais da metade - 52% - dos consumidores brasileiros assumiu ter comprado produtos piratas em 2011. Em números absolutos, isso representa cerca de 74,3 milhões de pessoas.

Em relação a 2010, quando 68,4 milhões de brasileiros cometeram esse crime (o que representa 48%), houve um aumento de 6 milhões de brasileiros que passaram a consumir produtos piratas.

Outro dado alarmante do levantamento mostra que houve um aumento expressivo na adesão dos consumidores das classes A e B. Enquanto em 2010, esse extrato representava 47% dos consumidores da pirataria, neste ano esse percentual pulou para 57%.

Outra faixa de renda que elevou o número de consumidores que adquirem mercadorias piratas foi das classes D e E, passando de 39%, em 2010, para 44%, em 2011. Em compensação, a classe C reduziu seu percentual de 53% para 52%, na mesma base comparativa.

Fonte: UOL.COM.BR