Publicado em 24/02/2012 as 12:00am

Brasileiros contam como é ser courier nos EUA

Muitas horas ao volante, diversas paradas e trânsito. Essa é a rotina dos brasileiros que trabalham fazendo serviços de coleta e entrega de pacotes e correspondências

Trânsito, diversas paradas e muitas horas ao volante, essa é a rotina dos brasileiros que trabalham fazendo serviços de coleta e entrega de pacotes, mais conhecido como ‘courier’. Os entrevistados pelo BT parecem ter algo em comum, a paixão por dirigir e o sentimento de liberdade.

Daylla deSouza, natural de Vitória (ES), residente há 15 anos em Brighton (MA) trabalha coletando amostras em veterinárias há dois anos. “Eu amo dirigir e gosto do que faço porque o trabalho é calmo, não tem estresse, não é como trabalhar em um escritório que tem um chefe te dizendo o que fazer o tempo todo. Como ‘courier’ tenho a liberdade de parar para comer a hora que quero, de usar o telefone e até de trazer uma pessoa para me fazer companhia”, conta.

A função da brasileira é percorrer dez clínicas em diferentes cidades, além disso, ela também recolhe o material de outros colegas de trabalho e ao final do dia despacha a carga no aeroporto, que segue para um laboratório em Nova York.

Daylla trabalha sete horas por dia, 40 horas semanais e recebe U$ 720,00 dólares por semana, despesas como gasolina e manutenção do carro ficam por conta dela. “Todos os dias tenho que encher o tanque do carro e a gasolina está cara, estão dizendo que até maio chegará a U$ 4,00 dólares, o galão, e isso não me agrada porque percorro 165 milhas por dia.” completa dizendo que apesar dos gastos, vale a pena desempenhar a função.

Willian Silva, natural de Anápolis (GO), residente há 26 anos em Lowell (MA) também trabalha com coletas e diz ser uma ótima opção de part-time para quem gosta de dirigir. “Meu trabalho é muito previsível e gosto disso, sei que durante os três dias que trabalho, a rota será a mesma, o máximo que pode acontecer é ter uma ou outra clínica a mais para fazer coleta”, comentou.

“Enquanto estou fazendo as coletas aproveito para fazer aquelas ligações que não pude fazer durante o dia. É um trabalho muito tranquilo, a única coisa que me estressa é ter de conciliar o part-time com o meu trabalho”, disse Willian.

Paulo Souza, natural de Cianorte (PR), residente há sete anos em Everett (MA) tem uma rotina diversificada, cada dia está em um lugar  e é isso o que mais agrada o paranaense. “Gosto da profissão porque cada dia me mandam para uma cidade diferente e gosto de conhecer novas estradas”, disse.

O brasileiro transporta diferentes tipos de cargas, entre elas roupas e documentos, trabalha dez horas por dia de segunda à sexta, e dirige, no mínimo, 90 milhas por dia. Ele diz que para trabalhar com coletas e entregas é preciso que a pessoa goste de dirigir, seja atenciosa no trânsito e tenha um horário flexível. “Quem quer trabalhar com o serviço de ‘courier’ tem que ter calma no trânsito e deve estar sempre atento aos radares que estão nas estradas”, aconselhou.

Fonte: (por Larissa Gomes)

Top News