Publicado em 10/03/2012 as 12:00am

México esperava reunião "cara a cara" com Brasil

"cara a cara"


CIDADE DO MÉXICO, 9 Mar (Reuters) - O México reagiu após receber um ultimato do Brasil para tomar uma decisão ainda nesta sexta-feira sobre a renegociação do acordo automotivo entre os dois países e uma fonte do governo mexicano disse à Reuters que negociações por carta são "pouco convencionais" e esperava uma reunião "cara a cara" com as autoridades brasileiras.

A reação mexicana é mais um capítulo da difícil negociação entre os dois países desde que o Brasil ameaçou encerrar o acordo, que já dura uma década, e que provocou para o país da América do Sul um déficit de 1,7 bilhão de dólares, no ano passado, na balança comercial entre os dois países.

Uma fonte do governo brasileiro informou que o secretário de Economia do México, Bruno Ferrari, conversou na noite desta sexta com o ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Fernando Pimentel, e disse que até segunda-feira os mexicanos enviarão uma resposta por escrito ao pleito brasileiro de renegociação do acordo automotivo.

O Brasil quer um novo acordo que inclua quotas de importação baseadas no volume de trocas dos últimos três anos, o que segundo uma fonte mexicana reduziria as exportações de aproximadamente 147 mil unidades, em 2011, para algo em torno de 65 mil unidades.

A proposta brasileira foi revelada nesta sexta pela Reuters, que teve acesso à uma correspondência datada de 8 de março à chanceler mexicana Patricia Espinosa e ao ministro da Economia, Bruno Ferrari.

Segundo os cálculos mexicanos, isso reduziria o fluxo comercial de 2,4 bilhões de dólares para 1,4 bilhão de dólares.

A proposta inicial brasileira considerava uma redução ainda mais brusca, que seria calculada com base nos últimos cinco anos da corrente de comércio do acordo automotivo, o que estabeleceria uma quota de aproximadamente 1,17 bilhão de dólares.

Mas essa oferta do Brasil foi rejeitada, segundo uma fonte do governo brasileiro.

Em uma carta separada com data do dia anterior acessada pela Reuters, o México disse que estava preparado para considerar limitar suas vendas com base nas exportações do ano passado, "mais um percentual" a ser negociado.

Segundo a fonte brasileira, que pediu para não ter seu nome revelado, as negociações entre os dois países "estão tensas" e caso o México rejeitasse a nova proposta do Brasil "cresceria a possibilidade de que o acordo fosse encerrado", apesar de uma decisão final ainda depender da presidente Dilma Rousseff.

Apesar disso, segundo a fonte, as negociações podem prosseguir por mais alguns dias.

O Brasil também pede que o México aceite que 35 por cento das peças automotivas que usa estejam de acordo com uma fórmula de "índice de conteúdo regional" e que essa proporção deve subir para 45 por cento ao longo dos próximos quatro anos.

Nem a fórmula, nem a "região" foram definidas na carta, mas a exigência pode irritar os Estados Unidos e outros parceiros comerciais que fornecem peças e componentes para o México.

"Estabelecer uma porcentagem que não é atingível pela indústria mexicana e nem pela brasileira é simplesmente cancelar o acordo ou cancelar o comércio", afirmou uma fonte do governo mexicano em resposta à proposta brasileira.

Fonte: (da uol)