Publicado em 12/06/2012 as 12:00am

Bovespa fecha em alta de quase 2% e dólar avança a R$ 2,065

A recuperação dos mercados externos ajudou a Bovespa a encerrar os negócios desta terça-feira (12) em alta, com seu principal índice atingindo o maior patamar de fechamento em três semanas, com investidores ajustando posições para o vencimento de Ibovespa

A recuperação dos mercados externos ajudou a Bovespa a encerrar os negócios desta terça-feira (12) em alta, com seu principal índice atingindo o maior patamar de fechamento em três semanas, com investidores ajustando posições para o vencimento de Ibovespa futuro e de opções sobre o índice na quarta-feira.

O Ibovespa (principal índice da Bovespa) fechou com alta de 1,94%, aos 55.049,03 pontos. O giro financeiro foi de R$ 5,69 bilhões.

Na semana, a Bolsa acumula desvalorização de 1,14%. No ano, tem prejuízo de 3%.

Segundo o analista técnico Marcelo Salinas, da Estratégia Investimentos, o Ibovespa deve continuar oscilando entre 53 mil pontos e 58 mil pontos, até que o cenário externo esteja mais definido e ajude o índice a encontrar direção, de alta ou baixa.

O dólar comercial fechou em alta pelo segundo dia seguido, diante do cenário externo ainda conturbado e pela ausência do Banco Central no mercado.

A cotação do dólar registrou valorização de 0,37%, a R$ 2,065. Esta é a maior cotação de fechamento desde 22 de maio, quando a moeda encerrou a R$ 2,08 e o BC havia feito dois leilões de swap cambial tradicional --que equivalem a uma venda no mercado futuro.

Na semana, o dólar acumula alta de 2,02%. No ano, o avanço é de 10,52%.

Segundo operadores, a expectativa é de que a moeda norte-americana continue registrando ganhos, mas sempre com um olho numa eventual volta em alta e que o BC volte a fazer intervenções.

O ambiente internacional continua conturbado em função das preocupações com a zona do euro, especialmente em relação a situação da Espanha, mesmo depois da aprovação de uma ajuda de 100 bilhões de euros ao país. Além disso, o mercado aguarda com grande expectativa as eleições na Grécia, que ocorrem neste domingo (17).

Os comentários da diretora-gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI), Christine Lagarde, nesta terça-feira ajudaram a acalmar os mercados, ao pedir que autoridades europeias adotem "medidas decisivas" para lidar com a crise financeira da região.

Fonte: uol.com.br