Publicado em 31/07/2012 as 12:00am

Governo ainda não considera prorrogar corte do IPI para carros

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, afirmou nesta terça-feira (31) que ainda não está em cogitação prorrogar a redução do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) para veículos após agosto.

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, afirmou nesta terça-feira (31) que ainda não está em cogitação prorrogar a redução do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) para veículos após agosto.

O ministro da Fazenda se reuniu nesta manhã com o diretor de Relações Intitucionais da GM, Luiz Moan, para pedir esclarecimentos sobre ameaças de demissões na fábrica da montadora em São José dos Campos (SP). Após o encontro, Mantega disse que a GM comprovou geração de emprego desde que a redução do IPI foi adotada, no fim de maio.

Moan informou que a geração de empregos nas fábricas da GM passou de 1.848 vagas no início de 2008 para 2.063 vagas em 2012. O diretor reconheceu, no entanto, que deve haver desligamentos em uma das unidades da empresa devido a reposicionamento de investimentos.

"Temos excedente em uma das fábricas de São José dos Campos, temos o compromisso de negociação cautelosa com o sindicato", comentou o diretor da GM.

Redução do IPI visa aquecer a economia

No final de maio, o governo decidiu reduzir a alíquota do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) para modelos de todas as categorias. Os mais beneficiados foram os 1.0, que tiveram imposto reduzido para zero. O objetivo é tentar aquecer a economia como um todo, que patina afetada pela crise internacional.

A pressão sobre o governo para uma nova redução do IPI aumentou na última semana após a montadora GM ameaçar demitir em massa. Segundo sindicalistas, o corte pode chegar a 1.500 funcionários. Diversos protestos têm sido feitos nas portas das fábricas da empresa.

A própria presidente Dilma Rousseff cobrou os setores que recebem incentivos governamentais a garantirem a manutenção do emprego no país.

Segundo a agência de notícias "Reuters", fontes ligadas ao setor afirmam que o governo deve estender os benefícios fiscais para o setor automotivo por mais dois meses, mas vai ser mais duro com o setor.

Para prorrogar o benefício, o governo estaria cobrando das montadoras informações sobre a criação de novos postos de trabalhos no setor.

GM tem problemas localizados, diz Mantega

Ainda sobre a GM, o ministro Guido Mantega afirmou que a montadora está com saldo positivo de empregos e que não cabe ao governo tratar de problemas localizados na companhia.

"Há problemas localizados em São José dos Campos (SP). Não cabe ao governo entrar nos detalhes, é (um assunto) da organização interna da empresa", afirmou o ministro.

Fonte: uol.com.br