Publicado em 14/05/2013 as 12:00am

Leilão de petróleo já atinge R$ 2,7 bi, mais do que a rodada de 2008

Foram arrematados 85 blocos em mar e terra. Leilão prossegue com ofertas em mais três bacias.


Com 85 blocos exploratórios em sete bacias leiloados, a arrecadação da 11ª rodada de leilões da Agência Nacional de Petróleo (ANP) já soma R$ 2,7 bilhões, batendo os R$ 2,1 bilhões arrecadados na  9ª rodada, em 2008. A rodada acontece nesta terça-feira (14), no Rio de Janeiro.

Mais cedo, a diretora-geral da ANP, Magda Chambriard, tinha estimado que o leilão poderia render de R$ 2 bilhões a R$ 2,5 bilhões. 

A Statoil Brasil arrematou quatro dos seis blocos oferecidos na Bacia Marítima do Espírito Santo - os dois outros ficaram com a Petrobras. A bacia está situada na porção norte da margem continental brasileira, ao longo da costa do estado do Espírito Santo. As empresas operadoras na bacia são Petrobras, Perenco e Repsol. A produção registrada em dezembro de 2012 foi de 23.081 bbl/dia de petróleo e 7.000 Mm³ de gás natural.

Thore E. Kristiansen, presidente da Statoil, anunciou que, na semana passada, a produção do campo Peregrino, na Bacia de Campos, que a companhia norueguesa opera, produziu 100 mil barris de petróleo por dia.

"Somos o segundo maior produtor no Brasil, e temos interesse em desenvolver nosso trabalho no país, que tem muito podencial. Há dois anos o cenário é estável e positivo. Queremos investir, crescer e criar mais empregos no Brasil", disse o excutivo.

A Petrobras arrematou dois blocos em terra na Bacia Potiguar, uma bacia madura situada no Rio Grande do Norte, no Nordeste brasileiro. É uma das dez bacias brasileiras produtoras de petróleo e gás natural, com 75 campos em terra e potencial para descoberta de óleo. Operam na bacia as concessionárias All Petro, Airclima Engenharia, Central Resources, Genesis 2000, Partex, Petrobras, Petrogal, Petrosynergy, Proen, Sonangol Starfish e UTC Engenharia. A produção em dezembro de 2012 foi de 53.363 bbl/dia de petróleo e 752 Mm³/dia de gás natural.

As petrolíferas Geopark, Imetame, UTC e Irati também arremataram blocos em terra na bacia.

Segundo a ANP, o período de concessão às empresas é de 5 a 8 anos para desenvolvimento e pesquisa e 30 anos para exploração.

Fonte: www.globo.com