Publicado em 4/06/2013 as 12:00am

Expansão de bens de capital mostra quadro positivo para a indústria, diz IBGE

Expansão de bens de capital mostra quadro positivo para a indústria, diz IBGE


Embora a indústria ainda esteja distante do seu período de pico de produção, o primeiro quadrimestre do ano mostra um "quadro mais positivo" para o setor.

Isso ocorre especialmente pelo fato de a expansão ser liderada pelo segmento de bens de capital, categoria de máquinas e equipamentos usados na fabricação de outros produtos e indicador do nível de investimento na economia, segundo o IBGE.

Enquete: Você está otimista ou pessimista sobre os rumos da economia brasileira?

Após reagir de fevereiro para março, a produção da indústria manteve a mesma tendência e cresceu 1,8% em abril, informou o IBGE nesta terça-feira. No acumulado do ano, a alta é de 1,6%.

A produção de bens de capital cresce há quatro meses consecutivos na taxa comparada com o mês anterior (livre de influências típicas de cada período) e acumula alta de 15,5% de janeiro a abril. Esse resultado, ao lado da melhora da produção de bens de consumo duráveis (veículos e eletrodomésticos), mostra "um quadro mais positivo para indústria", de acordo com André Macedo, técnico do IBGE.

"Até o mês de março, porém, não havia uma visão clara desse movimento de recuperação da indústria. Com a entrada do mês de abril, conseguimos visualizar um quadro mais positivo e alavancado por essa categoria [bens de capital], que dá uma qualidade para o crescimento e indica o aumento da capacidade futura de produção."

Entre a produção de máquinas e equipamentos, os destaques ficam para a expansão na fabricações de caminhões, além da produção de máquinas para a própria indústria, para agricultura (beneficiada pela safra recorde e maior renda de produtores) e para construção civil.

Macedo diz que medidas do governo como os financiamentos do BNDES com juros baixos (em algumas linhas com taxas inferiores à inflação) para a compra de máquinas e equipamentos e caminhões impulsionaram os investimentos, ao lado de uma melhora ainda discreta da confiança de empresários.

MUDANÇA DE CENÁRIO

A melhora de ritmo da indústria geral só se firmou com o dado de abril, segundo o IBGE. Considerando a taxa comparada com o mês período de 2012, a indústria acumulava uma perda de 0,5% de janeiro a março em razão de quedas em fevereiro e março, após uma forte alta em janeiro.

Agora, porém, com a alta de 8,4% em abril o índice do primeiro quadrimestre passou a ser positivo em 1,6%. "É preciso relativizar um pouco porque abril de 2013 teve mais dias úteis e a base de comparação era fraca no começo de 2012. Mas, mesmo assim, há um avanço importante e um cenário muito diferente do que prevaleceu até o final de 2012."

Até o fim do ano passado, diz, havia um predomínio da taxas negativas para a indústria em todas as bases de comparação e a maioria setores registravam resultados ruins. Apesar da melhora neste começo de ano, afirma, o setor está distante de voltar ao seu patamar máximo de produção, alcançado em março de 2011. Há uma diferença de ainda 1,8% para retomar tal nível.

"Existe ainda uma distância grande a ser percorrida."

VEÍCULOS

A produção de caminhões e automóveis --estes últimos beneficiados por estoques mais baixos e prorrogação do IPI reduzido-- são os de principais destaques do setor de veículos automotores, que cresceu pelo segundo mês consecutivo em abril na taxa comparada com os meses imediatamente anteriores. No período, a alta acumulada foi de 15,6%.

A alta de veículos automotores em abril (8,2%) foi a maior desde março de 2012. "É um ramo importante porque suas encomendas movimentam uma cadeia de outros setores, como borracha, plástico, vidros e outros", diz Macedo.

Fonte: www.uol.com