Publicado em 18/08/2013 as 12:00am

Montevidéu recupera seu passado com o renascimento do Mercado Agrícola

Montevidéu recupera seu passado com o renascimento do Mercado Agrícola

Montevidéu, 18 ago (EFE).- Montevidéu recuperou seu passado com um olhar contemporâneo graças ao renascimento do Mercado Agrícola, um pitoresco edifício centenário que passou do abandono e da decadência ao burburinho e a
atividade comercial e quer se transformar em ícone do Uruguai.

O Mercado Agrícola, parecido com mercados espanhóis como o da Boquería em Barcelona ou o Mercado Central de Valência, fica a poucos metros do Parlamento uruguaio e se impõe majestoso com sua impressionante estrutura metálica e seus amplos tetos, sob os quais se oferece uma grande variedade de alimentos e produtos de primeira qualidade.

Onde antes reinava a deterioração e a pobreza, agora gourmets e curiosos podem se deliciar com queijos, carnes, mariscos, frutas, verduras ou massas e degustar cervejas artesanais em um ambiente que mistura o antigo com o moderno e a tradição com a inovação.

O mercado, inaugurado há um mês, recebeu um grande apoio dos moradores da capital uruguaia. Estima-se ter recebido em média 95 mil visitantes por semana, que circularam entusiasmados entre as mais de cem lojas do Mercado, administrado pela Intendência de Montevidéu.

Por trás deste êxito há anos de trabalho e uma vontade de revitalizar Goés, um bairro marginal e degradado, afirmou à Agência Efe a gerente geral do Mercado Agrícola, Matilde Olivero.

Matilde conta que se tratava de uma "zona conflituosa, com muitas pessoas com problemas com drogas, na qual se registravam muitos roubos a cada dia", por isso o bairro foi sendo abandonado com o passar dos anos, especialmente após a crise econômica que o Uruguai sofreu em 2002.

Além disso, o edifício do mercado estava quase completamente abandonado, quase não tinha atividade comercial, estava sem vidros e sua estrutura estava precária e suja.

Por isso, o projeto de remodelação do mercado surgiu como parte de um plano municipal para melhorar o bairro e a aposta é que este edifício seja o "centro e locomotiva econômica e social" da região.

Finalmente em 2009, com a ajuda da Agência Espanhola de Cooperação Internacional para o Desenvolvimento (AECID), que colaborou com 600 mil euros; mais US$ 1,2 milhão do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e com US$ 3,5 milhões investidos pelos próprios comerciantes, a renovação do histórico edifício começou se materializar.

"Os mercados são espaços que transcendem o comercial e por isso foram levados em conta não só aspectos econômicos, mas também culturais e sociais: trata-se de um espaço para se reencontrar com a história da cidade e do país", acrescentou a gerente geral.

Matilde mostrou "satisfação" porque as pessoas "sentem o mercado como algo seu e isso é muito lindo".

Com apenas um mês de funcionamento, Matilde fala em "excelentes" resultados tanto pela afluência de público como pelas vendas. "Muitos visitantes fazem sugestões, escrevem, dizem que podemos melhorar, realmente a população está muito envolvida", assegurou.

O futuro do mercado parece promissor, já que em setembro será comemorado seu centenário com uma "grande variedade de atividades e surpresas" que ainda não foram reveladas pela administração.

A expectativa é que o Mercado Agrícola se torne uma das principais atrações turísticas de Montevidéu nos guias e mapas da capital uruguaia.

Fonte: www.uol.com