Publicado em 22/03/2016 as 10:08pm

Brasil perde 104,6 mil vagas com carteira, no pior fevereiro desde 1992

Foi o décimo primeiro mês seguido de cortes

O Brasil fechou 104.582 vagas com carteira assinada em fevereiro, segundo dados do Ministério do Trabalho divulgados nesta terça-feira (22). É pior resultado para fevereiro em 25 anos, desde o início da série histórica, em 1992.

Foi o décimo primeiro mês seguido de cortes. A última vez que o país teve saldo positivo foi em março do ano passado (19,3 mil). No acumulado dos doze meses até fevereiro, são 1,71 milhão de postos de trabalho a menos.

Em janeiro, o país tinha cortado 99.694 vagas com carteira. Em todo o ano de 2015, foram 1,5 milhão de vagas a menos, em média.

Os dados fazem parte do Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados). O número de empregos cortados é o saldo, ou seja, o total de demissões menos o de contratações no período. Em fevereiro, foram 1.276.620 contratações e 1.381.202 demissões.

Comércio perde 55 mil vagas

Dos oito setores da economia, segundo a divisão do Ministério do Trabalho, o comércio teve o pior resultado.

Agropecuária: -3.661 (-0,23%)

Construção civil: -17.152 (-0,65%)

Serviços: -9.189 (-0,05%)

Administração pública: 8.583 (0,97%)

Indústria de transformação: -26.187 (-0,34%)

Serviços industriais de utilidade pública: -1.066 (-0,26%)

Extrativa mineral: -390 (-0,19%)

Comércio: -55.520 (-0,61%)

 

Só 6 Estados abriram vagas

Entre os Estados mais o Distrito Federal, apenas seis abriram vagas em janeiro: Rio Grande do Sul (6.070), Santa Catarina (4.793), Mato Grosso (3.683), Goiás (2.327) Mato Grosso do Sul (1.124) e Tocantins (88).

O maior número de vagas fechadas foi no Rio de Janeiro (22.287, queda de 0,6%). A maior variação foi em Alagoas, com queda de 2,72% no emprego, ou 10.085 vagas a menos.

São Paulo 22.110, queda de 0,18%, e Pernambuco cortou 15.874, queda de 1,22%.

Por regiões, a Nordeste foi a que teve a maior variação no número de vagas, caindo 0,89%, e a que mais fechou vagas, em números absolutos (58.349 vagas a menos). O Sul e o Centro-Oeste abriram postos de trabalho:

Sul: 8.813 (0,12%)

Centro-Oeste: 4.659 (0,15%)

Norte: -7.834 (-0,43%)

Sudeste: -51.871 (-0,25%)

Nordeste: -58.349 (-0,89%)

 

IBGE faz pesquisa diferente

Os dados divulgados hoje pelo Ministério do Trabalho consideram apenas os empregos com carteira assinada.

Existem outros números sobre desemprego apresentados pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), que são mais amplos, pois levam em conta todos os trabalhadores, com ou sem carteira.

A Pesquisa Mensal de Emprego (PME) do IBGE mostrou que o desemprego nas seis principais regiões metropolitanas do país foi de 7,6% em janeiro. O dado de fevereiro será divulgado amanhã.

A última Pnad (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios) Contínua mensal registrou que o Brasil fechou 2015 com 8,6 milhões de desempregados, em média, o que representa um aumento de 27,4% na comparação com 2014, quando eram 6,7 milhões.

 

Fonte: http://economia.uol.com.br/