Publicado em 30/07/2014 as 12:00am

Tese de pesquisador fala sobre "violência a brasileiros que cruzam a fronteira"

Na próxima segunda-feira, dia 04 de agosto, o pesquisador Júlio da Silveira Moreira, tem uma apresentação marcada sobre a defesa de sua tese para doutorado

Na próxima segunda-feira, dia 04 de agosto, o pesquisador Júlio da Silveira Moreira, tem uma apresentação marcada sobre a defesa de sua tese para doutorado. Ele falará sobre uma pesquisa que desenvolveu junto ao Programa de Pós-Graduação em Sociologia da Universidade Federal de Goiás (UFG).

Este trabalho traz como título “Violência contra migrantes brasileiros em trânsito pelo México” e o pesquisar teve que se aprofundar na história para torná-lo bem completo. Para isso ele buscou conhecer as histórias de brasileiros que se aventuram na fronteira mexicana com intuito de entrar nos Estados Unidos.

Ele visitou moradores em Governador Valadares, em Minas Gerais, região de onde é oriundo o maior número de brasileiros que estão nos EUA. Júlio também foi ao México para conhecer e entender como vivem ou como os mexicanos veem as pessoas que passam pelo país rumo à fronteira.

Para concluir o seu trabalho, o pesquisador entrevistou algumas pessoas e procurou saber algumas perguntas, tais como se sabem o risco que correm com a violência durante a travessia e por que continuam indo para os Estados Unidos. Outras questões também foram levantadas. Entre elas, como atuam as redes sociais na reprodução dos fluxos migratórios.

Outras questões foram levantadas por Júlio, e todas elas resumem-se em uma só problemática – relações de casualidade entre indivíduo e o meio social na determinação do ato de migrar.

O pesquisador cita história como a “Caravana de Mães Centro-Americanas” que foram à fronteira em busca de filhos desaparecidos. Também é relatado o massacre dos 72 imigrantes em agosto de 2010 e ele analisa com fortes críticas a CPMI da Emigração que atuou entre 2005 e 2006 e apresentou poucos resultados.

Fonte: Redação Brazilian Times