Publicado em 6/02/2015 as 12:00am

Português como segunda língua

Mães brasileiras falam sobre a importância e dificuldades de ensinar o português aos seus filhos que tem como primeira língua o inglês.

De acordo com o professor Martin Meyer do Departamento de Psicologia da Universidade de Zurique, especialista em mapear os mecanismos neuronais da percepção e da produção da fala, ele informa que as crianças mais novas têm mais facilidade em aprender novos idiomas, pois o cérebro seria menos hábil a aprender novas línguas entre as idades de 12 e 20 anos, por isso seria ideal que a criança já tenha um contato com outro idioma logo nos seus primeiros anos de vida.

Pensando em um futuro com mais oportunidade para seus filhos, ou simplesmente porque desejam que eles conheçam a cultura do Brasil e também falem o português, brasileiras que vivem na América e tem filhos que estão matriculados nas escolas americanas procuram meios de ensiná-los sua língua materna logo nos primeiros anos de vida.

Encontrar tempo, escolas especializadas com valores acessíveis e o próprio interesse dos filhos são as principais barreiras que essas mães estão enfrentando. Como grande parte da família vivem no Brasil, aprender o português como segunda língua não é só questão profissional ou desejo de ampliar a cultura, mas também uma questão de comunicação com os próprios familiares.

Consultamos quatro mães que atualmente passam por este dilema. Confira como é a realidade de cada uma delas e o que elas estão fazendo para poder superar essa barreira.



“A importância da alfabetização em português é extrema, as razões variam, mas no nosso caso creio que pra manter a cultura acesa e presente no nosso meio. Também tem a interação deles com nossos familiares no Brasil. Sem contar que o aprendizado de uma segunda língua traz muitos benefícios no QI, abre portas no futuro, e facilita o aprendizado de terceira quarta línguas. Tenho uma prima e tia no Brasil que são professoras, o conselho delas foi esperar que ele seja alfabetizado em inglês na escola pra depois que essa primeira língua estiver fixa ai pode introduzir o português correto, o ler e escrever. Porém o falar, sempre falamos, ou melhor tentamos falar somente em português em casa. Esse é o maior desafio. Porque ele passa o dia todo na escola e lá é só inglês, quando o pego na escola, e estamos em casa a tendência é o Inglês!!! Eu fui criada aqui, em casa era só português, mas eu tenho o inglês fluente, então a dificuldade é maior ainda, pela minha facilidade com o inglês!! Ainda mais quando fico brava com ele e quero que o que eu estou falando ele esteja entendendo de verdade, ai sai inglês misturado com português! Outra dificuldade que vejo é que as aulas de alfabetização para criança são super caras! Apesar dessas dificuldades desistir de ensinar e falar o português em casa não existe!!!”

Bianka Dos Santos Reis - NY



“Eu acredito que ser muito importante de todas as nossas crianças ser alfabetizadas em nossa língua natal e principalmente as mães e os pais devem falar a língua dentro de casa e não fazer o que a maioria faz que sempre acaba respondendo perguntas de seus filhos em inglês . Mas te falo que é muito difícil eles manterem nossa língua. O exemplo que tenho é meu próprio filho, desde que nasceu ele vai ao Brasil duas vezes ao ano e também ficou 6 meses lá e aprendeu a falar e escrever visualmente. Sempre quando estava aqui pelo menos tentava escrever mensagens em português para os amigos do Brasil, mas com muita dificuldade. Hoje ele mora na faculdade fora de Nova York e toda vez que vem para casa se torna mais difícil, português quase nada. Falo e respondo em português e ele de maneira nenhuma, escrever então piorou mesmo.”

Carla Garcia - New York



“As dificuldades para mim são imensas porque sou a única pessoa em casa que fala o português. Tenho 3 crianças o mais velho tem 5, a menina faz 3 mês que vem e agora um bebê de quase 5 meses. E eles não ouvem diálogo em português. Já tentei TV, shows infantis, mas acredito que pelo fato de não ter o idioma na escola ele não tem motivação. Falo com eles em português desde quando eram bebês e sabem muitas coisas, entendem, mas não falam e quando peço para responderem em português dizem que não querem aprender. Ultimamente minha tática para prestarem atenção quando estou ensinando é dizer que vou ao Brasil sozinha porque eles não querem e não sabem falar português e que ninguém da família os entenderá ai eles decidem a tentar um pouco. Mas por outro lado me culpo muito também porque várias vezes poderia ter forçado mais, mas por estar aqui há muito tempo meu cérebro estando treinado a falar e pensar em inglês quando vou ver já falei tudo em inglês. Então agora quando me pego falando inglês com eles, vou e repito tudo em português. Para mim é muito importante que aprendam e receio eles se auto excluírem nas visitas ao Brasil e se comunicarem só entre eles por não saberem a língua. Eu agora estou tentando aprender a didática e paciência para poder ensina-los a ler e escrever pois saber para nos é uma coisa e saber ensinar é outra. Me sinto frustrada em ver que quando ele tinha 4 anos ele já lia e escrevia mais de 100 palavras em inglês e não sabia escrever nada em português. Embora more em Newark, estou distante da comunidade brasileira que vive aqui.

Marilyn Regina Fulton - Newark, NJ



Faço questão que meus filhos aprendam o português, e eu procuro ao máximo ensinar, porém o excesso de atividades e o tempo escasso não me permite levá-los a alguma escola ou professora que ensine com mais eficiência, e às vezes fico com pena deles, pois estão em fase de alfabetização e já são sobrecarregados com o inglês. Quando percebo que está sendo por pura obrigação, deixo-os mais livre. Entre eles só se fala o inglês e por isso tento introduzir o Português sempre que possível. Quero que ao longo do tempo eles saibam falar corretamente o português e também o japonês, pois faz parte da história de nossa família”.

Nilcee Kitani Schneider, New York City.

Fonte: Da Redação do Brazilian Times | Reportagem de Marisa Abel