Publicado em 6/03/2015 as 12:00am

Dia Intl. da mulher valoriza o trabalho feminino

Na semana de comemoração do Dia Internacional da Mulher, brasileiras que vivem em NY destacaram a importância de cada profissão e comentam sobre a valorização e ampliação do espaço feminino na sociedade.

New York, 1857*, um grupo de operárias do setor têxtil dedide iniciar manifestações por melhores condições de trabalho, estes eram perigosos e insalubres. Vários outros movimentos aconteceram mundo afora destacando-se os de Berlim, Viena e São Petersburgo. A Revolução Industrial marcava a história e o ingresso da mão-de-obra feminina em massa fazia-se necessário, porém o trabalho era quase desumano.

Rússia, 1917. As mulheres iniciaram as manifestações contra a fome, por melhores condições de trabalho e de vida, contra o czar Nicolau II e contra a entrada do país na Primeira Guerra Mundial. Foi dada assim a largada para a primeira fase da Revolução Russa de 1917.

Los Angeles, 2015. Ao vencer o Oscar de melhor atriz coadjuvante pela atuação em "Boyhood", do diretor Richard Linklater, Patricia Arquette faz seu discurso acalorado e é aplaudida por todos os presentes, com ênfase para o grande entusiamos da lendária Meryl Streep. Suas breves palavras pediram igualdade de salários. "Dedico a toda mulher que já deu à luz, todo cidadão que paga impostos, nós lutamos pelos direitos de todo mundo. É nossa vez de ter salários igualitários para todos e direitos iguais para as mulheres nos Estados Unidos".

Analisando estes fatos históricos e muitos outros podemos notar que ao longo da história a luta por igualdade de direitos dura até os dias de hoje. Claro que encontramos mulheres com salários maiores que os dos homens, porém ainda é muito frequente que o trabalho masculino tenha maior remuneração e reconhecimento.

Entrevistamos algumas brasileiras em NYC para saber o que elas acham desta luta e como podem contribuir para um futuro melhor. Confira as respostas.


A mulher pode contribuir da mesma forma que o homem contribui. Hoje ela pode votar e exercer os seus direitos como cidadã. Já consegue ocupar postos antigamente ocupados apenas pelos homens. Minha contribuição para a sociedade é feita através do meu voto consciente e da educação que dou ao meu filho visando torná-lo um cidadão de bem.

Cristiane Passarela, Psicóloga


"A grande contribuição está no rosto das mulheres e das meninas que a despeito da sociedade machista em que vivemos, trazem consigo vitórias que transformam, aos poucos, as gerações futuras na direção de um mundo mais justo e fraterno "

Dalila Figueiredo, advogada, assistente Social, Professora, Presidente da Asbrad


A Figura da Mulher na Sociedade e extremamente importante. Somos mães, domésticas, profissionais, esposas... Mas infelizmente ainda vivemos em um mundo ‘machista’. Tenho participado de trabalhos com Mulheres Vítimas de Violência e Tráfico Humano e, infelizmente, ainda são numerosos os casos de agressões no ambiente domiciliar, isto sem falar no constante monitoramento social sobre nossas atitudes. Precisamos defender a liberdade individual de nós mulheres.”

Lisangela Pimentel, Fisioterapeuta e Voluntária na ASBRAD


Como se fala aqui na america, ‘we've come a long way’ é pura verdade, os nossos papéis na sociedade mudou muito, nosso único trabalho era crescer pra ser esposa, mãe e dona de casa, nós não tínhamos nem direito de votar, hoje em dia mulheres assumem qualquer role na sociedade, hoje somos capazes de subir a escada do sucesso na vida.”

Angela Morrison


Eu cresci no meio da música, arte e dança e por conta disso já sofri e sofro discriminação e um pré-julgamento porque sou mulher. Por que ainda existe um estigma e um preconceito em relação ao artista principalmente a artista. Acho que muita coisa mudou e melhorou mas ainda assim sinto um olhar malicioso quando digo que sou dançarina. Pessoas ainda ligam dançarina como uma profissão suja ou desqualificada desonesta. Desde que cheguei na América venho conquistando meu espaço como bailarina e cantora e adquirindo respeito e mostrando principalmente aos gringos que uma dançarina de samba nao é apenas mostrar o bumbum. Venho mostrando que nós mulheres brasileiras temos cultura e educação e voz. Todos ficam muito espantados de ver uma mulher brasileira cantando Ópera e dançando! E não só dançando samba como também ballet clássico. Acho que estou no caminho certo e espero que mais e mais eu possa mostrar o lado nobre das profissões artisticas ‘femininas’ e mostrar o valor disso para sociedade!”

Fonte: Da Redação