Publicado em 9/12/2015 as 12:00am

Câmara manda trocar, e novo relator de Cunha no Conselho de Ética será do PT

A decisão é assinada pelo 1º vice-presidente da Mesa, Waldir Maranhão (PP-MA),

Decisão da Mesa Diretora da Câmara, controlada por aliados do presidente da Casa, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), determinou nesta quarta-feira (9) o afastamento do relator do processo contra o peemedebista, deputado Fausto Pinato (PRB-SP).

A decisão é assinada pelo 1º vice-presidente da Mesa, Waldir Maranhão (PP-MA), um dos parlamentares investigados na Operação Lava Jato.

O presidente do Conselho de Ética, José Carlos Araújo (PSD-BA), afirmou que irá recorrer da decisão, comunicada durante reunião do conselho nesta quarta-feira.

Após Araújo ler a decisão durante a sessão, ele nomeou o petista Zé Geraldo (PA) como relator do processo contra Cunha.

Geraldo foi escolhido por Araújo porque constou na lista tríplice, definida por sorteio, que embasou a escolha de Pinato. A bancada do PT na Câmara já anunciou que votará pelo prosseguimento do processo contra Cunha.

Nesta terça-feira (8), a defesa do presidente da Câmara recorreu da decisão do Conselho de Ética de manter Pinato como relator.

O recurso foi apresentado à própria Câmara e também ao STF (Supremo Tribunal Federal), segundo informou o advogado Marcelo Nobre, que representa Cunha no Conselho de Ética.

Zé Geraldo afirmou que irá acolher o relatório de Pinato na íntegra. "Quero dizer nesse momento que encampo esse relatório sem fazer nenhuma mudança", afirmou o petista.

Aliado de Cunha e autor do recurso que levou à decisão da Mesa da Câmara, Manoel Júnior (PMDB-PB) afirmou que o próximo relator precisaria ser escolhido em novo sorteio, pois, segundo Araújo, a decisão da Mesa tornaria nulos os atos de Pinato na relatoria.

A deputada da Rede Eliziane Gama (MA) afirmou que o recurso tem o objetivo de atrasar o andamento do processo e que a decisão do 1º vice-presidente da Mesa prova a interferência de Cunha para atrapalhar o trabalho do Conselho de Ética.

"O objetivo é só um: protelar e evitar a cassação do presidente da Câmara", disse Gama. "Este recurso é demonstração clara de que ele não pode continuar presidindo esta Casa", afirmou.

t

Fonte: uol.com.br