Publicado em 29/05/2013 as 12:00am

Após mudar a cara do sertanejo, produtor Dudu Borges é procurado por nomes da MPB

Milionário e José Rico, ícones da música caipira dos anos 1970, ostentaram a riqueza no nome e venderam milhões de discos.

Hoje, eles e seus pares invejariam os valores movimentados pelos milionários do chamado sertanejo universitário.

A lista dos mais bem pagos do gênero inclui Michel Teló (estima-se que "Ai Se Eu Te Pego" tenha rendido mais de R$ 100 milhões), Luan Santana, Fernando & Sorocaba (o último é campeão de arrecadação de direitos autorais pelo Ecad, o Escritório Central de Arrecadação e Distribuição) e Jorge & Mateus.

Produtor Dudu Borges fez arranjos das três mais tocadas neste mês

O que esses nomes têm em comum, além das músicas mais tocadas? Todos já tiveram produção e arranjos de Dudu Borges, apontado como o principal responsável por mudar a cara do sertanejo.

Aos 30 anos, o músico, que é natural de Campo Grande, mora há 13 em São Paulo, onde comanda as gravações em seu estúdio Vip, localizado no Cambuci, desde 2010.

Por lá, após produzir hits como "Chora, Me Liga" (João Bosco & Vinicius, 2009), "Fugidinha" e "Ai Se Eu Te Pego" (ambas de Teló, respectivamente em 2010 e em 2011), Dudu Borges já é procurado por artistas de fora do sertanejo.

Depois de ter produzido Fiuk e duas faixas de Jorge Ben Jor --uma delas, "Salve o Verde", ao lado de Mano Brown--, o produtor trabalha no primeiro álbum de inéditas de Fabio Jr. desde 2004.

O sucesso também se reflete em números. Dudu produz dez discos por ano, recebendo R$ 500 mil por trabalho, segundo a Folha apurou. A produção de um álbum de artista brasileiro de destaque custa, com outros produtores, de R$ 150 mil a R$ 200 mil.

"Teve gente dizendo que acabei com a música brasileira. Depois, você se acostuma e pensa: está tudo bem, as coisas estão indo bem pelos resultados", diz o produtor.

Fonte: www.folha.com.br