Publicado em 14/01/2015 as 12:00am

Mineira fala sobre paixão pela música e mudança para os EUA

Ela falou de sua paixão pela música, das conquistas em sua carreira e como decidiu se mudar para este país.

O Brazilian Times apresenta a história de uma mineira de Belo Horizonte que acaba de chegar aos Estados Unidos. Trata-se de Letícia Coelho, 27 anos, nascida em Belo Horizonte e que morou boa parte da vida toda na região da Pampulha.

Ela falou de sua paixão pela música, das conquistas em sua carreira e como decidiu se mudar para este país.


BT: Leticia fala pra gente quando e como tudo começou, essa paixão pela música:

Leticia: Comecei a cantar quase ao mesmo tempo em que a falar (risos). Por influência da minha mãe, Adriana, que passava o tempo todo comigo cantando músicas infantis, inclusive da Xuxa! Outra grande influência foi através de uma amiga da minha mãe, a Martinha, que tocava violão nos encontros em casa, principalmente MPB e pop nacional. Minha avó, Maria Auxiliadora (ou Lolinha) é uma exímia pianista e apaixonada por Jazz, Foxtrot e Bossa Nova. Desde os sete anos, quando eu a visitava, passava horas ouvindo a tocar e ouvindo vários CDs em ao seu lado. Assim, observando, aprendi algumas músicas no piano e aos oito ganhei um teclado. Quando tinha dez anos manifestei o desejo por tocar violão e fui logo presenteada com um. A partir daí nunca mais parei de tocar e, sendo autodidata, treinava constantemente para me aperfeiçoar.



BT: Você chegou a participar de corais ou bandas no começo da sua carreira?

Leticia: Participei de um coral dos 12 aos 14 anos, na Escola Santo Tomas de Aquino, o qual era regido pelo maestro e radialista Bob Tostes. A partir dos 18 anos, comecei a tocar em bares e restaurantes. Nos últimos anos estava sempre acompanhada por um amigo violonista e cantor. Nos apresentávamos em vários locais em BH, alguns bem tradicionais, como Armazém Sta Tereza, Quintal e Mar Mineiro (em Macacos). Também sempre participei de um evento chamado "Encontro de Músicos", coordenado por Fernando Barbosa, e frequentado por músicos mineiros de todos os estilos, aonde todos tinham vez, como se fosse um "open mic".



BT: Você chegou a fazer faculdade em música ou optou para outra carreira?

Leticia: Em relação aos estudos, concluí o segundo grau em 2005 e em 2006 ingressei em uma faculdade particular, no curso de Comunicação Social, porém, diante de uma má situação financeira, tranquei o curso pela metade. Na metade do ano de 2009, resolvi prestar vestibular para a UFMG, e passei com entrada em 2010 para Ciências Sociais, mas quase três anos depois, insatisfeita com o curso e, sabendo de meus colegas mais avançados das dificuldades em adentrar nessa área após a formatura, larguei o curso. Depois disso, apenas trabalhei em várias áreas, sempre pensando em qual seria meu próximo passo. Há dois anos comecei a estudar inglês em uma escola de idiomas chamada By The World, no bairro Prado, pois recebi bolsa de estudos de uma amiga, proprietária da escola, Cláudia Beatriz. Outra pessoa que apostou em minha caminhada foi o marido dela, Wagner Cavalieri, que custeou minhas aulas de canto por um ano!


BT: Fazendo um curso de inglês, já estava nos seus planos para se mudar para Boston?

Leticia: Em partes sim. Descontente com meus últimos empregos, decidi vender o meu carro, investir o dinheiro e tentar seguir com a carreira musical nos EUA. Com pouco tempo aqui, já estou me apresentando no restaurante Oliveiras, em Somerville, e recentemente, fiz contato com o Ney do restaurante Midwest Grill. Ele está analisando a possibilidade de eu me apresentar no local pelo menos uma vez por semana.


BT: Em pouco tempo de América, você já tem uma ideia se gosta ou não do que está vivendo e vendo?

Leticia: Estou muito animada, adorando o clima daqui e, procurando preencher meu “schedule” com música! Estilos: MPB, Bossa Nova, Samba, Pop/Rock Nacional e alguns Internacionais, entre outros. Estou aberta a convites para cantar e tocar, em festas, bares, restaurantes, etc.



BT: O alô vai pra quem?

Leticia: Desde já agradeço a todos vocês pela forca, ao senhor Edirson Paiva, que me viu cantando e me deu a honra de estar aqui falando para a comunidade um pouco sobre minha vida e meu trabalho. Eu quero fazer parte dessa família de brazucas (risos) que vive aqui. Beijo no coração de cada um!


Contato:

Leticia Coelho

781 333 9747

lelecoelho87@gmail.com

Fonte: Da Redação do Brazilian Times | Reportagem de Stael Demelo