Publicado em 26/01/2015 as 12:00am

Universidade nos EUA homenageia brasileiro

Formado na Royal Academy of Music, em Londres, ele era reconhecido, tanto pela crítica quanto por colegas artistas, como o violoncelista Antonio Meneses, por colocar a técnica sempre a serviço da musicalidade.

A Escola de Música da Universidade de Christian, no Texas (EUA) prestou no domingo (25) uma homenagem ao grande pianista brasileiro José Feghali, recentemente falecido, apresentando um concerto memorial público, no Auditório Ed Landreth.

Medalhista de ouro na importante Competição Internacional de Piano Van Cliburn, de 1985, travada nos Estados Unidos, o pianista carioca José Feghali, de 53 anos, foi solista em concertos com algumas das melhores orquestras do mundo, como a Filarmônica de Berlim, a Concertgebouw de Amsterdã, a Sinfônica de Londres, a Gewandhaus de Leipzig e muitas outras.

Formado na Royal Academy of Music, em Londres, ele era reconhecido, tanto pela crítica quanto por colegas artistas, como o violoncelista Antonio Meneses, por colocar a técnica sempre a serviço da musicalidade.

“Conhecia o Feghali desde que éramos garotos. Quando ele tinha 12 anos, e eu tinha 15, tocamos a sonata em lá maior opus 69, de Beethoven, num programa da TV Globo. Depois, quando eu tinha 18 anos, toquei na casa da família dele, em Botafogo, num recital privado com o Nelson Freire. A última vez que estivemos juntos foi há dois anos, quando eu estava como artista residente na Sala São Paulo e o escolhi para tocar comigo sonatas de Cesar Franck e Shostakovich. Ele era um músico sensacional. Era muito concentrado no que o compositor queria dizer. Não era um virtuoso interessado em demonstrar suas habilidades, mas sim interessado na mensagem musical”, contou Meneses. “Ele sofria, como outros homens de sua família, de depressão, e me disse uma vez que havia encontrado a solução nos remédios”, continuou.


CRÍTICA NO NYTIMES

Numa crítica publicada pelo jornal “The New York Times” em 2008, a respeito de um recital de música brasileira de Feghali, o pianista foi elogiado por sua “sensibilidade para questões de colorido e ritmo”, em obras que não eram um mero veículo para exibicionismos técnicos. A pianista Sonia Goulart também guarda boas lembranças dos contatos que teve com o colega.

“Ele era uma pessoa simples, maravilhosa e um grande músico, um pianista com enorme competência, de altíssimo nível artístico. Eu gostava muito do Prokofiev dele e também já o ouvi no Brahms nº 1 e no Chopin nº 1, todos feitos com grande musicalidade, técnica soberba e muita segurança”, elogiou Sonia.


NA REDE SOCIAL

Na internet, artistas repercutiram a morte do pianista brasileiro com depoimentos carinhosos. “Ele foi o solista que abriu a temporada de 2014 da Orquestra Filarmônica de Goiás tocando maravilhosamente bem as ‘Variações de Paganini’ de Rachmaninov. Já tinha sido convidado novamente para tocar conosco em setembro de 2015”, escreveu numa rede social o violinista Alessandro Borgomanero, recordando em seguida uma aparição de Feghali como convidado de uma das melhores orquestras do mundo: “Um dos meus primeiros concertos que assisti em 1987 com a Filarmônica de Berlim, onde eu tinha acabado de chegar para estudar violino, foi com o Feghali como solista tocando o Beethoven nº 3”.

O compositor Marcos Balter, radicado em Nova York, destacou que convivera com Feghali por seis anos e adorava os causos que o amigo contava sobre medalhões da música clássica. “José Feghali foi não apenas um grande pianista. Ele foi também um indivíduo doce, generoso e extremamente humilde, que sempre ajudou jovens artistas, especialmente brasileiros”, publicou Balter, acrescentando que sentirá falta da feição juvenil e do sorriso largo de Feghali.

Fonte: Da Redação