Publicado em 6/02/2008 as 12:00am

Resultado e lesões desfiguram teste do Brasil olímpico

Dunga fez questão de liderar o Brasil na busca do ouro olímpico, única honraria de peso que falta à seleção.

Dunga fez questão de liderar o Brasil na busca do ouro olímpico, única honraria de peso que falta à seleção. Mas uma sucessão de lesões e cortes levou o técnico a deixar de lado no jogo contra a Irlanda a chance de testar um time olímpico reforçado com os veteranos de sua preferência para mandar a campo uma formação mais experiente em busca da vitória no amistoso em Dublin, que começa às 17h45 (horário de Brasília). O Placar UOL Esporte fará acompanhamento on-line da partida.

"Tivemos que mudar toda a defesa e parte do meio-campo (por causa dos desfalques). Dentro dessa proposta, tentamos reunir o máximo de conhecimento na equipe", explicou Dunga. "Mas não há frustração, a questão é que o futebol é assim mesmo", afirmou o treinador que, mesmo na lista original, já sabia que não contaria com todas suas opções habituais - Ronaldinho Gaúcho, por exemplo, estava machucado no Barcelona.

Dos 11 que começam a partida, apenas o meia Diego, de Werder Bremen, tem menos que 23 anos, limite para jogar as Olimpíadas - é permitida a inscrição de três jogadores acima dessa idade. Nesse rol estaria Kaká que, machucado, acabou cortado. O meia-atacante do Milan é nome forte para ser um dos veteranos em Pequim.

O mesmo caminho foi percorrido pelo zagueiro Lúcio, outro veterano, e o olímpico Alexandre Pato, este o principal nome da nova geração e que deveria fazer sua estréia pela seleção principal. Da lista original, o lateral-direito Maicon também se machucou a acabou fora. Deu lugar na convocação a Leonardo Moura, outro atleta acima do limite de idade.

O técnico prefere não expor quais dos novatos têm mais chance de entrar no decorrer do jogo. Dos 11 disponíveis no banco, apenas o zagueiro Naldo, convocado para a vaga de Lúcio, não tem idade olímpica. "Meu objetivo é sempre observar o máximo de jogadores", frisou Dunga. "Normalmente quem tem entrado acaba ficando no grupo", disse Dunga.

Como de costume quando se trata de técnicos da seleção, Dunga tratou de elogiar o adversário, que vive grave crise institucional após ficar fora das finais da Eurocopa. "É um país que o Brasil tem dificuldade para vencer e conta com vários jogadores na Inglaterra, o que demonstra bom nível técnico", analisou.

Comandado do banco pelo interino Don Givens após a saída de Steve Staunton, os irlandeses estão distantes de viverem dias tranqüilos em sua seleção. Desde a Copa de 2002 que a Irlanda não se classifica para as finais de um torneio de ponta. Quatro meses após a saía de Staunton, a Federação ainda não definiu um novo treinador. O preferido é o italiano Giovanni Trapattoni. Mas um contrato até o fim de abril com Red Bull Salzburg, da Áustria, impede o acerto imediato. A indefinição tem levado vários atletas a cogitarem abandonar a seleção.

Mas não é só a crise institucional que frustra os irlandeses. As ausências de algumas estrelas brasileiras também viraram motivo de lamentação no time rival. "De alguma maneira, é decepcionante... tenho certeza que o público gostaria muito de ver o Kaká", disse Don givens. "Mas o Brasil é Brasil, com ou sem Kaká", completou.

Mas, claro, há quem comemore. "Kaká é o melhor jogador do mundo. Então sua ausência pode ser boa para nós", disse o atacante do Tottenham Robbie Keane, destaque irlandês da partida. Ele também se anima com o retorno do meia Damien Duff, ex-Chelsea e hoje no Newcastle, à seleção. "Ele é um dos mais habilidosos do Campeonato Inglês. Faz cruzamentos precisos. Para um atacante, isso é brilhante", opinou.

Após o jogo de Dublin, a seleção tem apenas mais uma data confirmada para testar seu projeto para Pequim. No dia 26 de março, em Londres, o Brasil enfrenta a Suécia em jogo comemorativo pelo primeiro título mundial. Não há amistosos previstos para abril de acordo com o calendário da Fifa. No fim de maio, o time se reúne para disputar em junho rodada dupla das eliminatórias contra Paraguai e Argentina.

IRLANDA
Shay Given; Stephen Kelly, John O'Shea, Richard Dunne e Kevin Kilbane; Aiden McGeady, Lee Carsley, Liam Miller e Damien Duff; Robbie Keane e Kevin Doyle
Técnico: Don Givens

BRASIL
Júlio César; Leonardo Moura, Luisão, Alex e Richarlyson; Gilberto Silva, Josué, Júlio Baptista e Diego; Robinho e Luís Fabiano
Técnico: Dunga

Local: estádio Croke Park, em Dublin (IRL)
Horário: 17h45 (horário de Brasília)
Árbitro: René Rogalla (Suíça)

Fonte: (uol.com.br)