Publicado em 29/10/2008 as 12:00am

Cruzeiro e Grêmio têm confronto direto por título

Ambos quase sempre estiveram na zona da Libertadores. Mineiros jogam para seguir na briga, e gaúchos, para disparar

Não há outro jogo neste Brasileirão que reúna dois times tão acostumados à ponta da tabela. O líder Grêmio e o terceiro colocado Cruzeiro são os maiores freqüentadores do G-4: os gaúchos ficaram três rodadas fora da zona de classificação para a Libertadores, enquanto os mineiros se ausentaram por apenas uma. Apesar desse bom retrospecto, o jogo de 21h50m (de Brasília) desta quarta-feira, no Mineirão, tem caráter de afirmação.

Os dois times viram seu aproveitamento cair na segunda metade do campeonato. A prova disso é que o Cruzeiro ocupa apenas a sétima colocação do returno, e ainda assim está duas acima do Grêmio. Os gaúchos ao menos se seguraram na liderança e lá permanecerão por, no mínimo, mais uma rodada. O problema é que não têm assustado adversários em seus campos, como no início do Brasileiro. O time, que venceu o Sport por um minguado 1 a 0 no Olímpico na última rodada, colheu resultados decepcionantes nas três últimas vezes em que atuou fora de casa: derrota para a Portuguesa por 2 a 0, goleada para o rival Inter por 4 a 1 e empate em 0 a 0 com o Atlético-PR.

A situação é mais decisiva para o Cruzeiro, que jogará diante de um Mineirão cheio e, em caso de derrota, poderá sair do G-4 pela primeira vez em 18 rodadas. No último sábado, teve atuação ruim e foi derrotado pelo desesperado Atlético-PR na Arena da Baixada. Caiu para a terceira colocação e perdeu qualquer chance de ultrapassar o Grêmio nesta quarta-feira.

Além da necessidade de afirmação, outro detalhe une as duas equipes: o mistério em torno da escalação. Adilson Batista e Celso Roth são adeptos da tática de só divulgar suas escalações 45 minutos antes do início do jogo. Antes de um confronto decisivo como o desta quarta-feira, o suspense se torna ainda maior.

O GLOBOESPORTE.COM acompanha o jogo em Tempo Real, lance a lance, com vídeos. A RBS TV transmite a partida ao vivo para o Rio Grande do Sul, e o canal Premiere exibe para todo o país, em sistema de pay-per-view.

Novidades à vista no Cruzeiro

Wagner voltará ao meio-campo? O zagueiro Thiago Martinelli será improvisado como volante? Fernandinho segurará a vaga na lateral esquerda, deixando Jadilson no banco? A resposta afirmativa é a mais provável para as três questões, mas Adilson Batista não dá qualquer pista. Nesta terça-feira, comandou um treino fechado para a imprensa.

- Vou deixar o Celso pensando. Fizemos um trabalho em função do que ele pode apresentar no Grêmio, então foram criadas algumas situações. Mas, independentemente dos nomes, espero que o Cruzeiro faça um bom jogo.

A grande preocupação do treinador é com as bolas levantadas na sua área. O time tem mostrado essa deficiência - como ficou provado na derrota para o Atlético-PR - e terá pela frente uma equipe que prima exatamente pela força no alto. Adilson não terá o zagueiro Thiago Heleno, expulso na Arena da Baixada, e o volante Henrique, que levou o terceiro cartão amarelo.

Leo Fortunato é o favorito para ficar com a vaga na defesa, até pela sua boa estatura (1,84m). No meio-campo, deve mesmo entrar Thiago Martinelli, já que a única outra opção para a posição de volante é Zé Eduardo, das divisões de base. Com isso, Adilson deixa Camilo no banco e abre mão de uma equipe mais ofensiva, pelo menos no papel.

Se o Grêmio tem a melhor defesa do campeonato, o Cruzeiro aposta no bom retrospecto do goleiro Fábio no Mineirão. Ele não sofre gol há 318 minutos atuando no estádio.

- É um jogo muito importante, pois não podemos deixar o Grêmio aumentar a vantagem. O título ficaria mais difícil, mas nem pensamos nessa hipótese.

Um líder entre a precaução e a ambição

O Grêmio vai a campo no jogão de Belo Horizonte com dois sentimentos contraditórios: de um lado, a certeza de que a precaução é necessária contra um adversário de alta qualidade; de outro, a convicção de que a ambição pela vitória pode encaminhar o título nacional. É por isso que o líder do Campeonato Brasileiro será cuidadoso no Mineirão, com foco na marcação, mas sem deixar de buscar o gol.

Em momentos de decisão, todo mistério vale ouro. Celso Roth esconde o time a sete chaves. Um enorme ponto de interrogação abraça tanto a escalação quanto o esquema do time tricolor. O treinador fechou os portões em treinamentos em Porto Alegre e até em Belo Horizonte.

A distribuição tática deve voltar ao 3-5-2, já que o 4-4-2 fracassou contra o Sport, apesar da vitória de 1 a 0. Roth terá que arranjar uma maneira de escalar Tcheco e Douglas Costa juntos. A alternativa que mais satisfez o técnico na semana passado foi a presença de Rafael Carioca como uma espécie de ala pela esquerda. Jogar Douglas por ali é desperdício, como ficou provado diante dos pernambucanos. Outra possibilidade é o 3-6-1, com a presença de Souza no sexteto do meio (caindo pela esquerda) e apenas um atacante, provavelmente Reinaldo.

Seja qual for a escalação, no 4-4-2, no 3-5-2 ou no 3-6-1, o certo é que o Grêmio tem noção de que viverá 90 minutos decisivos contra o Cruzeiro, um adversário extremamente respeitado.

- É o jogo da rodada. Se vencermos, as coisas estarão bem encaminhadas. Mas antes precisamos jogar. O Cruzeiro tem uma história tão grande quanto a do Grêmio. É um clássico brasileiro, e qualquer um pode ganhar em qualquer lugar, seja no Olímpico ou no Mineirão - afirma Roth. 

Fonte: (Globoesporte.com)