Publicado em 23/11/2008 as 12:00am

São Paulo afunda o Vasco e precisa de apenas uma vitória para ser hexa

Tricolor vence em São Januário e coloca a mão na taça. Dois empates nos últimos jogos também garantem o título

O São Paulo segue na caminhada rumo ao título. Neste domingo, o Tricolor ignorou a pressão dos torcedores vascaínos em São Januário e, com uma bela atuação de Rogério Ceni, venceu por 2 a 1. Com a vitória, o time de Muricy Ramalho garantiu a classificação para a Taça Libertadores 2009 pelo sexto ano seguido. 

Com a derrota do Grêmio para o Vitória, o Tricolor está muito perto do tricampeonato consecutivo e do sexto na soma total. O time paulista abriu cinco pontos do rival e já pode soltar o grito de campeão na próxima rodada, contra o Fluminense, no Morumbi. Já o Vasco fica em situação complicada na luta contra o rebaixamento. O time carioca segue com 37 pontos, em 18º lugar, três pontos atrás do primeiro clube fora da zona. O Náutico tem 40 pontos.

Na penúltima rodada do Campeonato Brasileiro, o duelo entre tricolores, que pode dar o título ao time de Muricy, acontece no domingo, às 17h .  No mesmo dia e horário, o Vasco encara o Coritiba, no Couto Pereira.



Antes do jogo, muita confusão. O ônibus do São Paulo teve dificuldades para chegar no estádio de São Januário, mas a ação da Polícia Militar evitou qualquer incidente. Dentro do estádio, bate-boca entre os dirigentes. Ao encontrar a porta para o gramado fechada, os tricolores arrombaram o cadeado e foram aquecer no campo. O presidente do Vasco, Roberto Dinamite, se irritou e foi cobrar satisfações. O dirigente cruzmaltino levou um documento assinado por representantes tricolores em que foi combinado que não haveria aquecimento no gramado. O motivo: no Morumbi, o São Paulo não permitiu que o Vasco subisse para o campo antes da partida do primeiro turno. Seguranças dos dois times chegaram a se desentender. E um torcedor tricolor foi preso ao ser pego pichando um banheiro de São Januário.

Jorge Wagner abre o placar de falta

O Vasco começou agressivo. Com 15 mil apitos, que foram distribuídos antes da partida, os torcedores faziam muito barulho. Em cinco minutos, o time carioca teve três escanteios seguidos. Mas o Vasco não conseguia espaços para finalizar. Só aos 12 minutos ocorreu o primeiro chute cruzmaltino. Wagner Diniz aproveitou sobra na área e bateu forte. Mas a bola tocou na cabeça de Leandro Amaral e saiu. Mas foi o São Paulo que quase marcou. Em um ataque rápido, Dagoberto tocou para Hernanes, que chutou rasteiro da entrada da área. O goleiro Rafael fez uma difícil defesa e espalmou para escanteio.

A chuva apertou. E os jogadores passaram a ter dificuldade de tocar a bola. Aos 16 minutos, outro susto para os vascaínos. Wagner Diniz foi tentar afastar o perigo e deu um bico contra o gol. Rafael defendeu no reflexo. Mas aos 21, não teve jeito. Mateus fez falta boba em cima de Hernanes na entrada da área. Alguns torcedores vascaínos ficaram rezando e preferiram nem olhar o lance. Pareciam adivinhar. Jorge Wagner cobrou muito bem no ângulo esquerdo de Rafael, que pulou e não tocou na bola: São Paulo 1 a 0.

O Vasco quase empatou rapidamente. Primeiro, Wagner Diniz cruzou rasteiro. Anderson foi cortar e quase fez contra. Rogério Ceni espalmou para escanteio. Logo depois, Leandro Amaral recebeu livre na área e chutou rasteiro para fora. Vieram, então, os primeiros gritos de "Ah, é Edmundo", que estava no banco de reservas.

O empate veio com Madson aos 30 minutos. O meia encarou a defesa tricolor e arrancou. Ele chegou na entrada da área e soltou a bomba. A bola desviou em Miranda e encobriu o goleiro Rogério Ceni, que caiu para atrás. A torcida cruzmaltina voltou a cantar. Tudo igual: 1 a 1. E o primeiro tempo terminava com o Grêmio, que vencia o Vitória, em Salvador, como o novo líder do Campeonato Brasileiro.

- Nosso time está deixando o Vasco jogar - reclamou Dagoberto no intervalo.

Hugo faz o segundo gol tricolor

O Vasco voltou para o segundo tempo ainda sem Edmundo. E o São Paulo não deu tempo nem para aquecer. Jorge Wagner cobrou escanteio, a defesa do Vasco ficou olhando. Hugo apareceu de surpresa e teve tempo de dominar, ajeitar e chutar para fazer o segundo gol. Mateus ficou imóvel, sem dar o combate. São Paulo 2 a 1. A alegria tricolor não se resumia apenas a São Januário. No Barradão, o Vitória empatava a partida com o Cruzeiro.

O terceiro gol tricolor quase surgiu em um chute de Hernanes. A bola desviou e saiu para escanteio. Neste momento, o técnico Renato Gaúcho chamou Edmundo, que entrou no lugar Edu.

Aos 11 minutos, um lance que gerou muitas reclamações dos vascaínos. Wagner Diniz dividiu com Miranda na área. O árbitro Leonardo Gaciba não deu nada.

O Vasco foi para o tudo ou nada. E passou a tentar cruzar bolas para a área. Em uma delas, Eduardo Luiz cabeceou e Rogério Ceni salvou o São Paulo com uma defesa complicada no canto direito.

O clima era tenso. Edmundo reclamou da arbitragem e levou o cartão amarelo. Um torcedor jogou uma garrafa no gramado e foi preso pelos policiais. Aos 18 minutos, Leandro Amaral recebeu na área e chutou. Rogério Ceni espalmou para escanteio. Aos 22, Alex Teixeira aproveitou rebote da defesa e chutou para fora.

Aos 29, nova chance de ouro para os vascaínos. Wagner Diniz recebeu na área e chutou na saída do goleiro Rogério Ceni. O camisa 1 defendeu bem. Logo depois, Edmundo novamente falhou em um momento decisivo do Vasco. A bola sobrou limpa para o Animal na marca do pênalti. Mas ele isolou e colocou a mão na cabeça. Era a imagem do Vasco, desesperado na luta contra o rebaixamento. No fim, Leandro Amaral, muito mal na partida, era vaiado pelos torcedores. Já a torcida tricolor soltava o grito de campeão.

Fonte: (Globoesporte.com)