Publicado em 6/06/2011 as 12:00am

Futebol, a paixão que o brasileiro trouxe para os EUA

Que o Brasil é o país do futebol ninguém discute, e a falta da convivência com o esporte nos EUA é um fator que agrava ainda mais a saudade do Brasil. Amantes do futebol, aqui os brasileiros ficam à margem das discussões

Por Murilo Silva

Que o Brasil é o país do futebol ninguém discute, e a falta da convivência com o esporte nos EUA é um fator que agrava ainda mais a saudade do Brasil. Amantes do futebol, aqui os brasileiros ficam à margem das discussões esportivas no país, já que os esportes nacionais americanos estão longe de nosso entendimento. No próximo dia 4 de junho o Brasil jogará, bem como também os EUA jogam em Boston no Gillette Stadium, e muitos brasileiros impedidos de estar no Brasil, com certeza vão no estádio aqui matar as saudades de assistir a um bom jogo de futebol.

A cultura de um país é formada por diversos fatores, entre eles podemos destacar: o idioma, a religião, a culinária, as artes e os esportes. Para aqueles que imigram para outro país, assimilar estas diferenças culturais ajudam a uma integração maior na comunidade e aliviam o sentimento de perda da identidade cultural do país de origem.

No Brasil, o futebol jogado com os pés, aqui chamado de “soccer”, é símbolo de nossa cultura e é facilmente confundido com o ser brasileiro. Crescemos jogando, ouvindo e assistindo futebol. A copa do mundo é um momento de pura comoção nacional, paramos tudo em função do futebol . E não há como deixar o país deixando para trás todas as emoções que envolve ser um torcedor. Muitos conseguem, mas outros mantém viva a chama de torcer pelo time do coração.

Em Milford (MA),  torcedores de vários times reunem-se com grandes bandeiras para assistir jogos pela televisão, reproduzindo o clima dos estádios de futebol do Brasil. Um dos organizadores destes encontros, o DJ Alessandro Souza, originário de Governador Valadares (MG), atleticano mais do que fanático, que vive nos EUA há mais de 22 anos, nunca perdeu seu amor pelo esporte, e afirma que o futebol representa para ele muita alegria e emoção, e que sofre muito por não estar lá, nos estádios, torcendo ao vivo, porque mesmo com tudo que ele faz para acompanhar, não é a mesma coisa de estar lá. Segundo Alessandro, o futebol daqui (citando o Revolution de Boston e a seleção dos EUA) não causa jamais a mesma emoção nos brasileiros.

Cruzeirenze de nascimento, Rodrigo Borges, natural de Belo Horizonte (MG), há 10 anos vive nos Estados Unidos e acredita que não são todos que conseguem continuar acompanhando o futebol brasileiro com o mesmo entusiasmo. Ele disse que nasceu torcedor do Cruzeiro e que lá no Brasil, pra todo lado que a gente vira, futebol é o assunto do momento, o que não acontece por aqui. Rodrigo diz que até tentou entender os esportes americanos, mas sem nenhum sucesso. Para ele, o futebol é nossa cultura, a gente cresce sendo condicionado a gostar de nosso time.

Fonte: (da redação)