Publicado em 13/10/2011 as 12:00am

Sindicato dos Atletas analisa 'caso João Vitor' e cogita greve de jogadores

O Sindicato dos Atletas de São Paulo (Sapesp) entrou em contato com o goleiro Marcos para discutir estratégias de segurança. A agressão sofrida pelo meio-campista João Vitor reforçou o discurso da entidade, que coloca em pauta até uma paralisação dos atle

O Sindicato dos Atletas de São Paulo (Sapesp) entrou em contato com o goleiro Marcos para discutir estratégias de segurança. A agressão sofrida pelo meio-campista João Vitor reforçou o discurso da entidade, que coloca em pauta até uma paralisação dos atletas para que medidas sejam tomadas a fim de combater a violência.

“Podemos trabalhar a ideia de greve. Tem que ver o engajamento dos atletas de vários clubes. Temos que retomar o controle, senão esta violência ainda vai acabar em morte”, disse o presidente da Sapesp, Rinaldo Martorelli, ao jornal Marca Brasil.

De acordo com o blog do Perrone, Marcos se vê desestimulado em prolongar a carreira diante da insegurança no futebol.

Agredido na loja oficial do Palmeiras, João Vitor sofreu ferimentos na boca. A Polícia investiga como se iniciou a briga e ainda não identificou os torcedores do clube que agrediram o atleta com socos e pontapés.

A confusão na entrada do clube rachou ainda mais a relação entre Kleber e diretoria. O camisa 30 pediu providências do clube e entendeu que Felipão e diretores inflamaram a torcida, com declarações à imprensa.

Na visão de Kléber, frases recentes ditas por Felipão como "primeira vez em 20 anos que não consigo arrumar um time" ou "Palmeiras é como casamento com mulher feia", além de dizer que já tem a lista de reforços pronta para o ano que vem, ainda que indiretamente, colocam a torcida contra os jogadores, e contribuem para aumentar o clima de insegurança.

Fonte: UOL.COM.BR