Publicado em 17/11/2012 as 12:00am

Coloquei Palmeiras no caminho certo, diz Kleina

O técnico do Palmeiras, Gilson Kleina, ainda mostra otimismo na luta contra o rebaixamento. A três jogos do fim do Brasileirão, Kleina faz um balanço e tenta ressaltar as partes positivas do seu breve período à frente da equipe paulista. Em entrevista na

O técnico do Palmeiras, Gilson Kleina, ainda mostra otimismo na luta contra o rebaixamento. A três jogos do fim do Brasileirão, Kleina faz um balanço e tenta ressaltar as partes positivas do seu breve período à frente da equipe paulista. Em entrevista na última sexta-feira, na Academia de Futebol, ele citou a categoria de base e o maior envolvimento de seus atletas como os fatos a serem destacados.

Assim que chegou, por exemplo, Kleina escalou João Denoni e Patrick Vieira. Os dois que vieram da categoria de base estavam esquecidos por Luiz Felipe Scolari e passaram a ser titulares do time na nova gestão.

"A minha profissão de treinador se faz por desafios. Eu aceitei isso por causa das convicções que tinha para tirar o Palmeiras dessa situação. Além disso, é uma evolução no trabalho, por todas as circunstâncias. O que pautou a minha chegada foi o trabalho e a entrega. Nós conseguimos colocar a equipe jogando como uma referência, colocamos mais vontade e dando exemplo da vontade de vencer. Demos chances a dois garotos que agora tem muito valor para o clube e estou para te dizer que eles estavam no ostraciscmo", disse ele.

"O futebol não basta para estar preparado para uma semana, duas de trabalho. Ela precisa de mais tempo, para conhecer todos os segmentos, entender a filosofia e entender a característica do seu elenco. Nesses 40 dias, estou para dizer que sou o primeiro a chegar aqui para trabalhar e um dos últimos a sair", completou o comandante.

Kleina ainda usou a coletiva para mandar uma mensagem positiva aos atletas. Ele afirma que o Palmeiras está no caminho certo e faz questão de dizer que 2013 será um ano vencedor para o Alviverde, que disputará além das tradicionais competições também a Copa Libertadores pelo título conquistado em 2012.

Por causa disso, ele afirma que não tem nenhum arrependimento de ter largado a Ponte Preta numa situação confortável para assumir o time do Palestra Itália em um momento verdadeiramente caótico, com um ídolo como Felipão saindo como culpado da crise.

"Não tenho receio nenhum da vinda pra cá. Eu vi uma grande evolução no time. Eu tenho certeza que poderíamos ter um pouquinho de sorte por merecimento. Nós merecíamos mais. Só contra o São Paulo que eu acho que a gente não merecia pontos. No restante dos jogos, acho que fizemos apresentações para somar em todas", afirmou. "Pela situação ruim, posso dizer que estamos no caminho certo. O Palmeiras vai voltar a ser forte".

Fonte: uol.com.br