Publicado em 14/04/2013 as 12:00am

Bap acha que Fla se tornará potência financeira a partir do ano que vem

Vice de marketing projeta receita de R$ 150 milhões somente em seu setor e revela ações que podem elevar Rubro-Negro a este patamar

A firmeza nas palavras e a audácia nos projetos deixa claro: Luiz Eduardo Baptista, o Bap, é “o cara” da nova gestão do Flamengo. Se Eduardo Bandeira de Mello exerce o cargo de presidente, o vice de marketing é o mentor intelectual da maioria dos planos que tem como objetivo mudar a realidade do clube a partir de 2014. E isso é bom frisar: 2014. Enquanto os torcedores se mostram aflitos com os resultados ruins em campo e clamam por um time melhor, uma coisa está evidente no discurso da diretoria: o foco em 2013 está bem distante do campo. Nas entrelinhas, a verdade é que o Rubro-Negro trabalha por conquistas em termos estruturais antes de pensar em levantar troféus.

Bap é um caso raro de quem admite isso publicamente. Vencer, obviamente, é sempre o objetivo, mas o próprio dirigente revela que a diretoria tem imposto um “sacrifício monstruoso ao torcedor” na temporada atual. A partir da virada do ano, no entanto, as ambições são igualmente monstruosas. E resultados em campo estão diretamente ligados a uma nova cara que o vice de marketing projeta para um clube que hoje tem mais de R$ 700 milhões em dívidas:

- O marketing do Flamengo vai trazer, no ano que vem, provavelmente alguma coisa entre R$ 120 milhões e 150 milhões de receita anual para o clube. Tudo depende da performance, mas vejo o Flamengo como uma potência financeira forte a partir do ano que vem. Vejo o clube forte a partir de 2014. Agora, o clube está lutando para buscar caminhos.

Bap recebeu a reportagem do GLOBOESPORTE.COM para uma entrevista exclusiva. Na conversa, não se privou de comentar qualquer assunto. Manteve a postura firme em polêmicas como o aumento no preço dos ingressos, deixou claro que todo e qualquer privilégio será direcionado ao sócio-torcedor, revelou projetos de licenciamento e um novo conceito de lojas e acabou com qualquer ilusão do torcedor de contar com Kaká e Robinho.

Fonte: www.globo.com