Publicado em 21/07/2013 as 12:00am

Dinheiro na mão, só vendaval. E ainda confiam em Ranieri

Dinheiro na mão, só vendaval. E ainda confiam em Ranieri


É difícil encontrar um técnico mais sortudo do que Claudio Ranieri. Não que seus times ganhem em surpresas homéricas – pelo contrário. Mas impressiona a capacidade que o italiano tem para atrair cheques em branco de magnatas russos. Afinal, era ele o técnico do Chelsea quando Roman Abramovich decidiu despejar seus milhões em Stamford Bridge. E, desde 2012, comanda o megalomaníaco projeto de Dmitry Rybolovlev no Monaco.

Ranieri não é o técnico na ativa que mais gastou dinheiro em contratações. Porém, é difícil imaginar outro com um custo-benefício tão ruim. São 25 anos de carreira e 11 clubes treinados. Títulos relevantes, porém, só a Copa da Itália com a Fiorentina, em 1996, e a Copa do Rei com o Valencia, em 1999. Em um jogo, ganhou a Supercopa Italiana em 1996 e a Supercopa Europeia em 2004. E se títulos de divisões inferiores valerem, também tem a segundona na Itália e na França. Muito pouco para quem já passou por Chelsea, Internazionale, Juventus, Roma, Atlético de Madrid, Napoli e saiu de mãos vazias.

Nas últimas 14 temporadas sem títulos relevantes, Ranieri gastou € 589 milhões em contratações – média de € 42 milhões por ano. Se fosse um clube, seria o 12º mais gastador do período, à frente de Bayern Munique (€ 520,2 milhões), Arsenal (€ 447 milhões), Atlético de Madrid (€ 413 milhões) e Borussia Dortmund (€ 270,4 milhões). O Porto, clube por onde passaram quatro dos dez reforços desta janela, investiu € 328,5 milhões a partir de 1999/00, apenas 55,7% do total do italiano.

Nesta temporada, Ranieri é o líder no ranking da gastança, torrando € 144 milhões com o Monaco. E o pior de tudo: depois de duas derrotas consecutivas na pré-temporada, já prometeu secar um pouco mais a fortuna do magnata russo. Entre nós, Rybolovlev: não é melhor guardar essa grana e dar nas mãos de alguém que realmente saiba armar o time?

Fonte: www.uol.com