Publicado em 16/05/2015 as 12:00am

Se vencer processo, Pato se tornará rombo de R$ 90 milhões para Corinthians

Alexandre Pato pode se transformar em um rombo de cerca de R$ 90 milhões para os cofres do Corinthians. Esse é o pior dos cenários em caso de vitória do atacante na ação movida por ele contra o clube que detém seus direitos econômicos, segundo estimativa

Alexandre Pato pode se transformar em um rombo de cerca de R$ 90 milhões para os cofres do Corinthians. Esse é o pior dos cenários em caso de vitória do atacante na ação movida por ele contra o clube que detém seus direitos econômicos, segundo estimativa da reportagem com o auxílio de especialista em tributos.

O valor total é a soma do que foi pago pelo Corinthians ao Milan em 2013, os impostos da transferência, os salários, os direitos de imagem e impostos referentes aos quatro anos de contrato, a comissão paga ao agente do jogador, Gilmar Veloz, além de encargos cobrados por Pato em seu processo.

Publicamente, o Corinthians demonstra confiança de que irá vencer a ação movida por Alexandre Pato. Em entrevista no último sábado, o presidente Roberto de Andrade confirmou que os 10 meses devidos em direitos de imagem (cerca de R$ 4 milhões) foram pagos para o jogador na última quarta-feira, um dia após a abertura do processo.

Para os advogados corintianos, o fato de os direitos de imagem não serem pagos diretamente a Pato, mas sim a uma empresa inglesa, indica que a quantia que estava em atraso não pode ser configurada como salário. É com base nesse raciocínio, de que imagem é salário, que a defesa de Pato solicita a rescisão de contrato imediata por conta dos atrasos.

No processo, os advogados do jogador pedem o pagamento de todos os salários, direitos de imagem e direitos vigentes até o fim de seu contrato até dezembro de 2016. Além disso, cobram também encargos trabalhistas de R$ 2,4 milhões.

Dentro dessas variáveis, a maior hipótese em caso de rescisão favorável a Pato seria o pagamento somente dos encargos e a liberação do Corinthians de arcar com os salários e direitos de imagem restantes até dezembro de 2016, além dos respectivos tributos. Em caso de perda do jogador, mas de ficar livre dessa dívida, os cofres corintianos teriam uma economia de cerca de R$ 16 milhões.

Essa não é, entretanto, a vontade declarada do Corinthians. O presidente quer manter o contrato com Pato vigente e fala, inclusive, na possibilidade de ele voltar ao Corinthians depois do empréstimo. Para reaver o que já foi investido – quase R$ 70 milhões – só uma transferência para o exterior.

Na janela de transferências do último verão europeu, há um ano, o ex-presidente Andrés Sanchez se empenhou em conjunto com o agente Giuliano Bertolucci para tentar abrir mercado para a venda de Alexandre Pato. O máximo que a dupla conseguiu, entretanto, foram sondagens de 10 milhões de euros que não se transformaram em propostas oficiais.

Antes de uma decisão, a justiça forneceu prazo até quarta-feira para o Corinthians demonstrar que está quite com Alexandre Pato.

Confira as principais despesas do Corinthians com Alexandre Pato

R$ 40 milhões - para o Milan na compra de 60% de direitos econômicos

R$ 4 milhões – impostos pela transferência para o Milan*

R$ 9,6 milhões em 2013 – salários e direitos de imagem do primeiro ano de contrato

R$ 5,6 milhões em 2014 – dois salários e 12 meses de direitos de imagem do segundo ano de contrato

R$ 4,8 milhões em 2015 – direitos de imagem do terceiro ano de contrato

R$ 9,6 milhões em 2016 – salários e direitos de imagem do quarto ano de contrato

R$ 4,160 milhões – comissões de 10% sobre salários e direitos de imagem ao empresário Gilmar Veloz

R$ 10,080 milhões – férias, 13º salário e impostos sobre salários referentes aos quatro anos de contrato

R$ 2,469 milhões - encargos trabalhistas solicitados por Pato em processo

Valor total: R$ 90,180 milhões

Fonte: uol.com.br