Publicado em 13/05/2014 as 12:00am

MIT realiza lista dos 10 brasileiros mais inovadores

MIT lista professor da UFG entre os dez brasileiros mais inovadores

Um professor de química da Universidade Federal de Goiás (UFG) foi classificado como um dos dez brasileiros mais inovadores com menos de 35 anos pelo Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT), nos Estados Unidos, graças ao desenvolvimento de uma tecnologia de baixíssimo custo para análises clínicas de amostras biológicas. O paranaense Wendell Coltro, 34 anos, é doutor em Química Analítica pela Universidade de São Paulo (USP) e leciona na UFG há cinco anos. Ele desenvolveu o projeto com alguns de seus alunos há cerca de um ano e meio e se sente orgulhoso de estar na lista. “É algo indescritível. Estou bastante honrado e orgulhoso do trabalho que desenvolvemos”, afirma o professor.

Coltro diz que não sabe quem indicou sua pesquisa ao MIT. Após esse primeiro contato anônimo, o instituto procurou o pesquisador e pediu para que ele enviasse o projeto no qual estava trabalhando para que fosse analisado e julgado. “Se eu encontrasse quem fez a indicação, eu agradeceria e diria que fiquei muito honrado por ser lembrado pela pesquisa que desenvolvemos”, disse.

O projeto do professor visa diminuir drasticamente o custo de análises clínicas de diabetes, trigliceres, colesterol e ácido úrico, por exemplo. No projeto, utiliza-se uma folha de papel comum, como um guardanapo, por exemplo, coberto com parafina e um carimbo metálico, pouco maior que uma moeda de R$ 1, com o os caminhos pelos quais o material analisado passará.

De acordo com Coltro, o a peça metálica custou US$ 50  e com esse único carimbo já foram feitos mais de 10 mil "chips de papel". O nome é uma analogia aos chips de computadores, que também possuem diversos caminhos por onde passam as correntes elétricas com informações. Somando o custo dos materiais e dividindo pela quantidade de testes que é possível fazer, o pesquisador estima que cada ensaio clínico custe R$ 0,01.

Fonte: (g1)