Publicado em 13/02/2008 as 12:00am

Conselho Nacional de Imigração do Brasil chega a Boston

Membros do Conselho apresentam Cartilha para o imigrante e falam da necessidade de união da comunidade em torno de suas associações e organizações

Na segunda-feira (11) no Café Belô de Allston-Massachusetts, uma comitiva composta por vários membros do Conselho Nacional de Imigração do Brasil, se reuniu com líderes da comunidade. O evento aconteceu sob os auspícios do Centro do Imigrante Brasileiro (CIB).

Presentes ao evento: Carlos Closs, vidiógrafo; Dodo Mendes, correspondente de esportes do BT; Adairton Teixiera, Diretor de Marketing do BT; Carlos da Silva, Agente de Desenvolvimento Empresa-rial do CPCU (Banco Portu-guês); Shiley Faber, Editora da revista Bape Papo; Júlio Braga, Promotor de Eventos; Jorge Costa, representante do PT nos EUA; Álvaro Lima, representante da prefeitura de Boston, entre outros.

Representando o Conselho Nacional de Imigração do Brasil: Paulo Sérgio de Almeida, Presidente; Vitor Luiz da Silva Carvalho, representante do Sindicado dos Petroleiros do Norte; Ribamar Dantas, representante sindical do CGTB/SP (Conselho Geral do Trabalhador em Empresas de Processamentos de Dados do Estado de São Paulo e Cristina Costa, representante da Confederação Nacional da Indústria.

Após às 8pm, o geógrafo Cristiano Britto, Coordenador de Dados do CIB deu a partida inicial para esta importante reunião. Convidado para apresentar os membros deste Conselho para a liderença e público presentes, o Diretor-Executivo do CIB, Fausto Rocha que, usando o microfone, falou da importância do encontro para a comunidade, mas também abriu um pequeno espaço, quando mostrou para todos os presentes algumas das realizações do CIB em favor da comunidade.

Fausto iniciou a palestra falando sobre os trabalhos do CIB, alertando para o aumento crescente que a entidade vem tendo em termos de ligações telefônicas. Para Fausto, nos últimos três anos, o número de atendimentos e chamadas ao centro aumentou mais de 100% em relação aos anos anteriores. Entre os motivos apresentados para tal aumento em números de ligações e serviços, está o crescimento da população brasileira aqui neste país, principalmente, em Massachusetts, que segundo, estatísticas, detém um volume até certo ponto surpreendente. Os dados apresentados no entanto refletem atividades até o ano de 2005.

"Houve um crescimento populacional grande em 2006 e 2007, mas ainda não existem dados, que segundo Faustos são fornecidos por entidades americanas. Mas o cen-tro já possui também estatísticas próprias, que são feitas pelo Coordenador de Dados, Cristiano Britto. Indagado sobre o falado êxodo brasileiro de volta ao país, Fausto disse que apenas 3% da população retornou ao Brasil em 2007, devido à crise imigratória. Ele não acredita que esta tendência deva crescer, a não ser que perma-neça no país esta onda antiimigrante. "Com a eleições deste ano, com certeza este panorama deve mudar", disse Fausto.

O CIB, é uma associação, que atualmente focaliza-se em dois objetivos principais: Leis Trabalhistas e Leis de Imigração. O centro defende em sua prioridade, os problemas trabalhistas, em parceria com o chamado Projeto Parceria, da Universidade de Massachusetts, de Lowell e assuntos de Imigração.

Em 2007 os casos de abusos trabalhistas aumentaram. Apenas 10% dos casos são conhecidos. "Tivemos 2,082 casos trabalhistas no Es-tados. O trabalhadores na área de pintura são os mais atingidos. As cidades da grande Boston que apresentam mais problemas com leis trabalhistas são: Somerville, Malden e Everett. Mas temos um total de 51 cidades dentre as 360, que tivemos envolvimento direto".

Perguntado se somente o CIB atua nesta área, Fausto disse que "para os brasileiros, sim, pois as outras associações se dedicam a outras áreas, por exemplo, à saúde, ao esporte, á educação, ao lazer. O centro quer se especializar nestas duas: Trabalho e Imigra-ção".

A editora do revista Bate Papo fez a seguinte pergunta: O Centro negocia com o empregador? Sim, disse Fausto. E quando a negociação falha, levamos o caso para a corte. "Temos caso de americano que já pegou até 3 anos de cadeia por infringir leis trabalhistas".

O promoter Júlio Braga perguntou se o Centro recebia algum recurso ao ajudar neste tipo de causa. Fausto disse que o Centro pede uma ajuda de 3% ao brasileiro, mas que esta contribuição é voluntária. A pessoa dá por iniciativa própria.

Muito brasileiros deixam de reclamar por temer represálias em ser indocumentado? Sim, tanto que o número de queixas é mínimo em relação aos casos.

Outras perguntas foram direcionadas ao Diretor do Centro, mas devido ao horário avançado, os membros do Conselho foram logo convidados à falar.

Fala o presidente do Conselho Nacional de Imigração

O primeiro membro do Conselho Nacional de Imigração do Brasil que fez uso da palavra foi Paulo Sérgio de Almeida. Ele agradeceu aos proprietários do Café Belô pela oportunidade em ceder as instalações e ao CIB pela recepção, podendo mostrar como anda o projeto da Casa do Trabalhador Brasileiro no Exterior. Ele afirmou que o Conselho não é formado só de uma conjuntura política do estado, mas mantém, também, uma certa independência ao ter como membro, elementos fora da escala governamental, como os demais membros que deve-rão ainda se apresentarem.

O primeiro membro do Conselho Nacional de Imigração do Brasil que fez uso da palavra foi Paulo Sérgio de Almeida. Ele agradeceu aos proprietários do Café Belô pela oportunidade em ceder as instalações e ao CIB pela recepção, podendo mostrar como anda o projeto da Casa do Trabalhador Brasileiro no Exterior. Ele afirmou que o Conselho não é formado só de uma conjuntura política do estado, mas mantém, também, uma certa independência ao ter como membro, elementos fora da escala governamental, como os demais membros que deve-rão ainda se apresentarem.

É uma organização representada pela comunidade civil, sindicatos e outros setores. O regimento do Conselho foi reformulado o ano passado, dado ao fato da redescorberta do brasileiro de ir buscar oportunidades no exterior. O governo reconhece esta característica. A CPMI da Emigração deu esta descoberta e o MT (Ministério do Trabalho) agora olha com bons olhos esta iniciativa e quer ajudar a desenvolver projetos que possam amenizar os problemas dos compatriotas no exterior. Por isto a realização desta reunião. "Mas não podemos fazer nada, se não houver uma pressão por parte das lideranças comunitárias em cobrar tais iniciativas", fala.

Tentando, apresentar algo de positivo, o Conselho criou uma cartilha chamada " Brasileiras e Brasileiros" no Exterior" que detém infor-mações importantes para todo o imigrantes que quer imigrar. Foram impressos 100 mil exemplares e estão sendo distribuidos pela Polícia Federal no Brasil, assim que a pessoa pega um passaporte para viajar. "Também trouxemos cartilhas que deixaremos nas associações para que todos possam ter a sua". Esta cartilha explica tudo: deste a educação até o sistema de remessa no país para onde o brasileiro vai imigrar.

A Casa do Trabalhador Brasileiro

A principal e mais importante missão nossa e dos demais membros do Conselho aqui presentes é a fundação da Casa do Trabalhador Brasileiro no exterior, a qual terá como objetivo levar aos trabalhadores os direitos à uma assistência social, saúde, educação e outros tipos de apoio, inclusive na área empresarial, resssaltou Paulo Sérgio.

Fonte: (braziliantimes.com)