Publicado em 5/03/2008 as 12:00am

Brasileiros invadem o exterior e as cadeias

O jornal O Estadão de São Paulo divulgou esta semena matéria sobre um assunto que vem chamando a atenção das autoridades brasileiras. Trata-se do elevado número de brasileiros que estão presos em cadeias fora do Brasil.

Da redação

O jornal O Estadão de São Paulo divulgou esta semena matéria sobre um assunto que vem chamando a atenção das autoridades brasileiras. Trata-se do elevado número de brasileiros que estão presos em cadeias fora do Brasil. Os dados foram apresentados baseados em um levantamento realizado por uma equipe do Ministério das Relações Exteriores.

No documento está registrado que até o início deste ano, pelo menos 4.020 brasileiros estavam cumprindo pena em regime fechado em outros países. Esta quantia é 336% a mais do que o penúltimo relatório, elaborado em 1996, quando 921 presos em cadeias espalhadas pelo mundo eram originários do Brasil. Estima-se que esta população carcerária seja maior, haja vista que nem todos os países fornecem essas informações.

No relatório aponta os crimes praticados pelos os brasileiros presos e relata como os principais o tráfico de drogas, prostituição, roubos e furtos. O aumento no número de presos, segundo o Itamaraty, se deve ao onda de brasileiros deixando o Brasil em busca de "fazer fortuna". Pelas estatísticas, atualmente, são mais de 3 milhões de brasileiros vivendo no exterior.

O presidente da Fundação Interamericana de Defesa de Direitos Humanos, Hélio Bicudo, é a imigração ilegal, "que torna os brasileiros mais vulneráveis à marginalidade". Ele faz esta declaração baseado em estimativas feitas com imigranmtes do Brasil que vivem clandestinbamente em outros países.

A cidade de Miami-Flórida, nos Estados Unidos encabeça a lista onde se percebe o maior número de detidos. Segundo o relatório, existem 1.200 brasileiros presos. Em segundo está Madri, na Espanha com 400. Lisboa, em Portugal, aparace na quarta posição com 201 detidos.

José Jesus Filho, da Pastoral Carcerária de São Paulo confirma o tratamento discriminatório nas penitenciárias. Ele está há um ano nos Estados Unidos para acompanhar presos brasileiros no país. "O tratamento fornecido aos brasileiros é o mesmo dispensado aos latinos. Eles são considerados presos de segunda categoria. Por exemplo, o preso com o qual tenho contato aqui, não recebe sempre a mesma alimentação que os americanos", diz.

CASOS

SONEGAÇÃO

Os líderes da Igreja Renascer, Sonia e Estevam Hernandes, cumprem pena de reclusão desde o ano passado nos EUA por ''''contrabando de dinheiro''''. Eles foram presos no aeroporto de Miami, quando tentavam passar pelo setor de Imigração com mais de US$ 56 mil não declarados. Atualmente, ela está presa e ele, em liberdade. O casal foi sentenciado a cumprir pena alternada

PROSTITUIÇÃO

Acusada de controlar uma rede de prostituição, tráfico de drogas e lavagem de dinheiro, a capixaba Andréia Schwartz, de 32 anos, está presa há 20 meses em Nova York

TRÁFICO

Instrutor de vôo livre, o carioca Marco Archer Moreira, de 45 anos, aguarda sua execução na Indonésia. Foi condenado à morte por tráfico de drogas em 2003.

ASSASSINATO

O rondoniense Jeremias Bins, de 30 anos, é acusado do assassinato de sua mulher, Carla Souza, de 37, e o filho dela, Caique Souza, de 11, também brasileiros, na cidade americana de Framingham, em Massachusetts.

MÉDICO ILEGAL

O imigrante Luiz Carlos Ribeiro e sua esposa Ana Maria Miranda Ribeiro, ambos de 49 anos, naturais de Goiás, foram presos em Framingham ? MA sob a acusação de praticar medicina sem licença nos Estados Unidos, informaram as autoridades nesta segunda-feira, 31 de julho. Ribeiro foi preso depois que a também brasileira Fabíola de Paula, de 24 anos, natural de Sanclerlândia, a 130 quilômetros de Goiânia, morreu durante um procedimento de lipoaspiração realizado no porão de uma casa, na mesma cidade.

Fonte: (O ESTADAO)