Publicado em 1/04/2008 as 12:00am

Governo Bush será autorizado a concluir muro entre EUA e México

Será construído um trecho de mais de mil quilômetros até o fim do ano

Funcionários do governo americano disseram que a administração George W. Bush poderá passar por cima de cerca de 30 leis e diretrizes. Dessa forma, poderia concluir até o fim do ano a construção de um trecho de mais de mil quilômetros de um muro na fronteira entre os Estados Unidos e o México.

As isenções legais, autorizadas pelo Congresso dos EUA, permitirão ao governo deixar de lado entraves burocráticos e ignorar leis ambientais. Estas, no momento, impedem o Departamento de Segurança Interna de construir, por exemplo, um trecho de 430 quilômetros do muro que engloba Califórnia, Arizona, Novo México e Texas.

O plano foi revelado por funcionários do governo americano envolvidos no assunto. Eles conversaram sob condição de anonimato com a Associated Press, porque a notícia das isenções legais ainda não havia sido divulgada.

Horas depois, o secretário de Segurança Interna, Michael Chertoff, divulgou um comunicado sobre o tema. "Essas isenções legais permitirão que importantes projetos de segurança continuem avançando."

As obras representariam o maior uso das isenções legais desde que a administração do presidente George W. Bush começou a construir o muro. A tática das isenções legais já foi usada para levantar dois trechos da barreira no Arizona e um na Califórnia.

Uma das isenções possibilitaria a construção de uma barreira de 35 quilômetros em Hidalgo County, Texas. A outra seria usada para levantar um bloqueio de 50 quilômetros em áreas ambientalmente sensíveis em San Diego, Califórnia, sul do Arizona, e no Rio Grande. Além disso, 346 quilômetros da construção com problemas administrativos, na Califórnia, no Arizona e no Texas, seriam concluídos.

Algumas das áreas requerem estudos que, se tiverem a conclusão final aguardada, podem atrasar as obras.

O secretário de Segurança Interna, Michael Chertoff, havia anunciado anteriormente que a utilização das isenções legais poderia ser acionada como último recurso. O departamento organizou mais de cem encontros com parlamentares, grupos ambientalistas e moradores, em um esforço para superar os obstáculos e objeções à construção do muro.

O departamento realizará estudos ambientais quando necessário, informou um funcionário. Porém não esperará a conclusão desses para prosseguir a obra.

Vários moradores da região da fronteira com o México reclamaram do projeto. No sul do Texas, a oposição tem sido generalizada, pois os proprietários se recusam a dar ao governo acesso às áreas ao longo da rota do muro.

Ambientalistas também reclamam da iniciativa. Segundo eles, animais ameaçados de extinção na área correriam mais perigo. Entre os bichos ameaçados estão um tipo de leopardo e o gato mourisco (jaguarundi).

Chertoff já disse considerar o muro bom para o meio ambiente. Segundo ele, os imigrantes ilegais degradam a terra com lixo, por exemplo. Os ambientalistas, porém, temem a destruição da natureza na região.

Fonte: (TIOSAM.COM)