Publicado em 2/07/2008 as 12:00am

Medo torna imigrantes prisioneiros de seus lares

Muitos evitam sair constante de casa temendo contato com a polícia ou agentes da Imigração

Daredação

Agência de Notícias Brazilian Times

 

(New Bedford-Massachusetts) - Como muitos outros pais, Elena também não consegue dormir muito à noite. Esposa e mãe de 3 crianças, se levanta às 4 horas e vai pra cama por volta das 11 da noite, exceto quando a geladeira quebra e ela fica acordada até por volta de 1:30 , limpand-a.

Seu dia é cheio com uma maratona de afazeres e tarefas domésticas, incluindo preparação de suas filhas para a escola e creche. Trabalhando como costureira em uma fábrica na cidade de Fall River, e tratando de evitar qualquer situação que exponha sua familia aos oficiais da imigração.

Elena (nome fictício), em seus 34 anos de idade, residente illegal nos Estados Unidos e que viveu em New Bedford por quase 3 anos, foi pega durante uma incurção da imigração na fabrica Michael Bianco, dia 6 de março de 2007.

Ela pediu para que seu anonimato fosse mantido, levando em consideração sua condição de ilegalidade, da qual faz parte seu esposo e a duas de suas três filhas.

A terceira nasceu neste país, em 2007 e é cidadã norte-americana.

Elena e seu marido, agem de forma cuidadosa todos os dias para evitar serem pegos e deportados pelos agentes de imigração. Eles gastam o menor tempo possível caminhando ou misturando-se junto às pessoas nas ruas. Deixam seu apartamento, com pouquíssima mobilia, apenas para irem ao trabalho, estar a serviço da igreja ou fazer compras.

Nas poucas ocasiões em que utilizam o carro como meio de transporte, eles se certificam de que o veículo que tomam emprestadi esteja em perfeitas condições para que não atrair a atenção da polícia local.

"E uma intensa vida de estresse e preocupação", diz Elena por viver ilegalmente em New Bedford.

Ela explica que os imigrantes ilegais, vivem cercado por um medo constante de serem pegos por oficiais da imigração. Até medo de denunciar crimes à polícia, pairam sobre alguns ilegais. " Acredito que pessoas não documentadas estão sempre atentas e não descansam ou se desligam nunca da situacão em que vivem", disse Helena Marques, diretora executiva do Centro de Assistência ao Imigrante, uma nova referência para imigrantes legais deste país.

Quanto aos imigrantes que foram presos na Bianco e estão em liberdade aguardando o andamento do processo, ela fala que " Eles pasam a maior parte do tempo em seus apartamentos, evitam shopping centers, restaurantes, lugares públicos em geral".

Este mesmo medo, segundo Marques, está chegando aos imigrantes de Rhode island, estado onde o governador Donald Carcieri vem implantando uma forte perseguição aos ilegais.

"Fico preocupado, especialmente se vou até as proximidades de Rhode Island", disse Pedro Cunha, um imigrante illegal que dirige em Massachusetts com carteira de motorista de outro país.

Apesar da sua vida illegal em New Bedford, Pedro disse que "A vida nos Estados Unidos é mais confortavel do que em seu país e que se fosse deportado algum dia não hesitaria em regressar".

Ele e sua esposa têm um filho de 18 anos, que nasceu nos Estados Unidos e vivem em um apartamento com seus familiares. Nos fins de semana, Pedro levanta às 4 da manhã e dirige aproximadamente 40 minutos para seu trabalho, em uma companhia de demolição. Ele vai direto pra casa depois do trabalho.

(traduzido pela Wizard de Framingham)

Fonte: (ANBT - Agência de Notícias Brazilian Times)