Publicado em 9/11/2008 as 12:00am

Empregadores que contratavam indocumentados responderão na justiça

Em maio deste ano, o ICE (Immigration and Customs Enforcement) prendeu 389 indocumentados em um frigorífico em Postville, no estado de Iowa, numa grande operação que envolveu cerca de 500 agentes

Em maio deste ano, o ICE (Immigration and Customs Enforcement) prendeu 389 indocumentados em um frigorífico em Postville, no estado de Iowa, numa grande operação que envolveu cerca de 500 agentes. No final de outubro, quase seis meses depois, as autoridades do ICE voltaram a Postville, mas desta vez só precisaram de um efetivo de cinco homens para efetuar a prisão de quatro pessoas, entre eles o dono do estabelecimento.

Sholom Rubashkin, de 49 anos, foi acusado de vários crimes, entre eles a contratação de imigrantes – inclusive crianças – em situação irregular. Com ele também foram presos o gerente do frigorífico e filho de Sholom, o jovem Abraham Aaron Rubashkin, e outras duas empregadas da fábrica, Laura Althouse e Karina Freund, que tinham cargos de gerência. Pesam sobre os quatro 9.311 acusações.

Segundo documentos divulgados pela corte federal de Iowa, o frigorífico mantinha pelo menos 32 menores de idade, sendo sete deles com menos de 16 anos, numa infração considerada grave às leis vigentes acerca de trabalho adolescente. O dono da empresa também ajudou a falsificar documentos dos empregados. As autoridades impuseram uma multa de 10 milhões de dólares à empresa. “Trata-se de uma mancha negra para a comunidade empresarial de Iowa”, afirmou Dave Neil, da Secretaria Estadual de Trabalho. Os advogados do frigorífico têm um mês para recorrer da sentença.

Com relação aos empregados presos em maio deste ano, o ICE informa que muitos estão cumprindo pena por roubo de identidade e serão deportados. No entanto, muitos foram liberados por razões humanitárias e receberam ordens de comparecer diante de um juiz de imigração em uma data futura.

Muitos têm sido ajudados por um fundo de finanças específico para imigrantes nesta situação. Segundo Katherine Vargas, do Fórum Nacional de Imigração, informa que a entidade tem verba para assistência jurídica de indocumentados, mas os interessados em receber esta ajuda devem apresentar uma petição ao comitê nacional do fundo.

Fonte: (Gazeta News)