Publicado em 9/04/2009 as 12:00am

Jovens imigrantes não podem mais estudar

O que a proposta dessa lei previa era essencial para o futuro de estudantes imigrantes, mas infelizmente um pequeno número de legisladores estaduais

 

O que a proposta dessa lei previa era essencial para o futuro de estudantes imigrantes, mas infelizmente um pequeno número de legisladores estaduais, sem a coragem necessária, resolveu votar contra. Agora, muitos alunos não terão o direito de pagar anuidades mais baratas (In State tuition) por causa desses poucos votos contrários.

Uma vergonha para o estado do Colorado, que cresceu pela mão dos imigrantes, impedindo que seus filhos frequentem a faculdade pagando um preço mais em conta para seus bolsos. E estamos comentando a respeito de cidadãos que constróem casas e limpam residências e escritórios daquele rico estado.

Havia uma esperança de que esses políticos fariam a coisa certa por estudantes que não tem aonde se formar.

Pelo contrário, alguns democratas dorminhocos se juntaram a republicanos para derrubar a lei 170 do Senado, que daria o direito a esses alunos, filhos de ilegais, de pagarem mensalidades com tarifas estaduais mais baratas. Na verdade, essa derrota é uma grande perda para o próprio estado, pois os alunos que não poderão frequentar a faculdade são filhos de imigrantes que foram trazidos para o país pelos seus pais e que desejam ser alguém na vida. Entretanto, o custo normal do curso para quem vem de outros estados ou países é muito alto, proibitivo para esse segmento da população, o que coloca a educação no terceiro grau quase impossível para eles. A derrota afetou aproximadamente 100 alunos no estado e custaria entre $165,300 a $661,200 até o fim de 2011.

O tema imigração tem sido um mote político nos últimos anos, parcialmente porque o governo federal olhava para outro lado enquanto os trabalhadores inundavam a fronteira e também porque o Congresso americano falhou no sentido de adotar uma reforma condizente. E, na realidade, esses jovens vivem no país e precisam da escola. Eles estudaram no estado desde o jardim de infância e chegaram ao final da High School, prepararam-se para a faculdade, mesmo na desvantagem, tais como salários mais baixos para seus pais e em muitos casos, passando pela barreira do idioma. E eles não desejam ir para lugar algum, querem ficar aqui nos EUA.

O sistema de educação no Colorado está falido, dizem os especialistas

No momento em que estes alunos estão prontos para a educação do terceiro grau, o sistema vem e lhes informa que não têm nenhuma chance realista de frequentar a faculdade.

Na esperança de convencer os colegas a aprovarem a emenda, o presidente do Senado, o democrata Peter Groff, de Denver, caracterizou a situação como sendo de uma tomada de posição corajosa por parte dos votantes. Entretanto, alguns poucos políticos usaram a caneta para impedir que esse grupo de estudantes possa usar o sistema estadual a seu favor. Esses jovens são considerados ilegais pelo sistema e lhes será difícil conseguir um emprego decente até que o Congresso faça a reforma imigratória e resolva providenciar o caminho certo para que os alunos possam se candidatar à cidadania e contribuir para o seu progresso e para o progresso do país.

O maior problema reside no fato de que o estado do Colorado encontra-se em situação financeira difícil, particularmente no que toca à educação do terceiro grau; este ano já houve cortes consideráveis do orçamento, na casa dos milhões de dólares. Esses problemas precisam ser resolvidos e o pequeno e relativo gasto no sentido de agraciar esses estudantes com o pagamento estadual deveria ser a solução do momento.

Certamente não ajudará ao estado possuir jovens estudantes encarando um futuro incerto, pois eles merecem ser educados e precisam seguir seus sonhos e ambições. A resposta é óbvia, esses políticos não têm coração ou são cegos, para não enxergarem que somente um pouco de bom senso poderia fazer com que o sistema trabalhasse a favor desses jovens, agora menosprezados.

Fonte: (Da redação)