Publicado em 1/07/2009 as 12:00am

Midia étnica americana pede: Reforma da Imigração Já!

Mais de 200 periódicos étnicos dos Estados Unidos estão publicando editoriais durante toda esta semana, pedindo urgência para que a Casa Branca e o Congresso trabalhem no pacote de reforma.

 

Mais de 200 periódicos étnicos dos Estados Unidos estão publicando editoriais durante toda esta semana, pedindo urgência para que a Casa Branca e o Congresso trabalhem no pacote de reforma. Muitos outros (sites e periódicos) irão publicar o mesmo editorial durante esta semana e também na próxima.

A campanha foi organizada pela New America Media (NAM), uma organização baseada em San Francisco, California  e que representa mais de 2500 periódicos étnicos. Esta é a primeira vez em que toda a mídia étnica da nação colabora num editorial com o mesmo assunto. Negros, Hispanos e Asiáticos e outras etnias se juntaram em prol de só um objetivo.

O diretor executivo da NAM, Sandy Close, comentou que a mídia étnica alcança mais de 60 milhões de adultos nos Estados Unidos, numa forma de atingir as comunidades que estão dando apoio à reforma da imigração, um assunto que interessa a todos.

Jornais, websites, blogs, programas de rádio e outros setores de publicações pedem que “o Congresso se mova decididamente numa reforma imigratória porque há assuntos importantes para o bem da nação, como uma maneira de reparar os erros do debilitado economicamente, deficiente e desumano sistema imigratório”.

O editorial também pede aos leitores para contatarem o Congresso e demandarem urgência aos legisladores para que façam da reforma imigratória uma prioridade.

A resposta de toda a mídia étnica ao editorial mostra como é importante o assunto para todas as comunidades imigrantes. Um jornal português decidiu traduzir o editorial e disponibilizou-o para outros periódicos do mesmo idioma.

Jornais africanos, rádios em espanhol, diários e rádios chineses, semanários indianos, têm se comprometido com os valores intrínsicos do editorial enviado pela NAM, que está sendo publicado em inglês, espanhol, chinês, coreano, vietnamita, árabe, alemão, russo, português, indonesiano e urdu, um idioma quase desconhecido, que é falado no Paquistão e em cinco estados da India.

Ah, e por falar de étnico, os indios nativos americanos também estão participando do projeto, para dar uma força, afinal esta ramificação mais-do-que-americana não necessita de green card.

Fonte: (Da redação)