Publicado em 19/07/2009 as 12:00am

Imigrantes não tiram empregos de americanos, diz estudo

Os imigrantes não roubam os postos de trabalho dos cidadãos americanos nos Estados Unidos

 

Os imigrantes não roubam os postos de trabalho dos cidadãos americanos nos Estados Unidos, porque seus perfis, idades e os locais onde procuram emprego não coincidem com as vagas procuradas pelos nativos, segundo estudo divulgado nesta segunda-feira.

"Inclusive durante períodos de recessão e alto desemprego, a maioria dos trabalhadores nativos não compete com a maioria dos imigrantes pelos mesmos trabalhos", afirmaram os autores do estudo, divulgado pelo Centro de Políticas Migratórias (IPC, por suas siglas em inglês).

O relatório analisou a entrada dos "novos imigrantes" (que chegaram nos Estados Unidos entre 1998 e 2008) e sua distribuição geográfica, e comparou os dados do censo com os dos nativos.

O percentual mais alto de imigrantes sem segundo grau (26,9%) está nos estados do Alasca, Califórnia, Havaí, Oregon e Washington (2008).

O percentual equivalente de trabalhadores nativos (18,9%) vive, em contrapartida, nos estados de Illinois, Indiana, Michigan, Ohio e Wisconsin.

A maioria dos novos imigrantes sem o segundo grau chegou ao país para trabalhar nos setores de construção e extração de petróleo (26,4%).

No total, 23,5% dos trabalhadores americanos sem segundo grau ainda não tinham trabalho, porque a diferença de idade é substancial, destacou o estudo.

Assim, 42,1% dos imigrantes sem segundo grau tinham entre 25 e 34 anos em 2008, enquanto 60,8% dos americanos com este mesmo nível de estudo tinham entre 16 e 24 anos.

"O fato de os imigrantes complementarem cada vez mais a força de trabalho nativa ilustra o absurdo que é sugerir que a expulsão dos imigrantes aumentaria automaticamente o número de vagas para nativos", acrescentou o texto.

Fonte: (G1 / Da redação)