Publicado em 2/09/2009 as 12:00am

EUA oferece visto para imigrantes que denunciarem delitos

Laura Teresa León Sanchez foi golpeada, violentada e roubada por seu noivo. Quando falava em deixá-lo, o homem a ameaçava, dizendo que a entregaria às autoridades de imigração, para que fosse deportada

 

Laura Teresa León Sanchez foi golpeada, violentada e roubada por seu noivo. Quando falava em deixá-lo, o homem a ameaçava, dizendo que a entregaria às autoridades de imigração, para que fosse deportada.

"Eu era um fantasma, não era ninguém", comentou. Natural da cidade do México, ela era ilegal nos EUA. "Ele dizia que ia chamar a imigração para mim".

A mulher eventualmente conseguiu ajuda das autoridades e, além disso, um visto especial concedido pelo governo americano, para estimular aos imigrantes indocumentados a reportarem os delitos violentos que venham a sofrer.

O programa de vistos "U" foi criado em 2000, mas esteve suspenso por vários anos. As novas normas foram incluidas em 2007, quando o programa voltou a vigorar. O governo está, no momento, processando e aprovando milhares de petições.

Os registros do Serviço de Cidadania e Imigração (ICE) mostram que 4400 vistos foram emitidos este ano, comparado com somente 52 no ano passado.

 

Alguns imigrantes nunca denunciam porque temem a polícia ou porque (acreditam que) se denunciarem abusos podem ser deportados.

"Não há nada pior do que saber que alguém é vítima de violência e escutá-lo dizer que não quer viver nessa situação, mas que tem muito medo para denunciar", disse Nancy O´Malley, fiscal federal do condado de Alameda, em São Francisco, Califórnia.

"Há milhares de mulheres imigrantes que suportam abusos em silêncio porque temem falar com as autoridades por causa de seu status no país", disse Nancy.

No último mês de Janeiro, o ouvidor da agência de imigração expressou sua preocupação pela demora no processamento dos vistos. Como resposta, a agência contratou mais pessoal, reorganizou e agilizou o trabalho.

Graças ao programa, já foram beneficiadas centenas de mulheres imigrantes que denunciaram ser vítimas de violência, mutilações genitais e tráfico sexual. Os arquivos do governo demonstram que uma grande maioria - uns 4 mil casos - são de vítimas de violência doméstica.

Antes de ter um visto "U" aprovado, a polícia, os fiscais ou um juiz devem certificar-se de que o solicitante cooperou com a prisão ou no processo do predador.

Os imigrantes que cooperarem podem estar seguros de fazê-lo sem medo de serem deportados.

 

"É algo que beneficia a sociedade e a polícia. Todos estamos no mesmo barco", disse Kevin Wiley, da policia de Oakland (Califórnia) a qual já expediu 171 solicitações de visto desde novembro de 2007.

 

Fonte: (Fonte: Miami Herald, tradução Phydias Barbosa)