Publicado em 27/10/2009 as 12:00am

Green Card para viúvos de cidadãos americanos

Viúvos e viúvas seriam qualificados para ganharem a residência americana, independentemente de quando seus parceiros morreram ou por quanto tempo estiveram casados

 

Viúvos e viúvas seriam qualificados para ganharem a residência americana, independentemente de quando seus parceiros morreram ou por quanto tempo estiveram casados. A medida aguarda a assinatura do presidente Obama.

 

O Congresso aprovou, na última terça-feira, um projeto de lei que tornaria viúvos e viúvas de cidadãos americanos, qualificáveis para receberem o green card, mesmo que o cônjuge tenha falecido antes dos pedidos serem aprovados.

A medida faz parte dos mais de US $ 40 bilhões investidos nas leis e diretrizes orçamentárias do Setor de Segurança Territorial.  Anteriormente, os "viúvos", tinham que ter sido casados até por dois anos antes do cônjuge sobrevivente ser qualificado para aplicar para a residência.

Agora, o cônjuge sobrevivente pode aplicar para um cartão verde para si mesmo e seus filhos, independentemente de quando o cidadão morreu ou por quanto tempo eles eram casados.

Acredita-se que existam algumas centenas de casos afetados por todo o país, incluindo o de Dahianna Heard, cujo marido foi morto a tiros enquanto trabalhava para um empreiteiro de segurança privada no Iraque; Raquel Williams, cujo marido morreu de apnéia do sono e problemas de coração, e Ana Maria Moncayo -Gigax, cujo marido foi morto em um acidente de carro quando em serviço com a patrulha da fronteira. Muitos estão lutando contra a deportação e outros já foram até deportados.

"Foi apenas algo que precisava ser consertado", disse Brent Renison, que tem lutado para conseguir que a lei mude desde 2004. "Estes casos deveriam ter sido aprovados há muito tempo atrás."

Renison tinha brigado pelo caso nos tribunais de todo o país, inclusive em Los Angeles, onde um juiz ordenou, este ano, ao Departamento de Segurança Territorial, reabrir os casos de imigração de quase duas dúzias de pessoas que tiveram negados os green cards por causa da morte de seus cônjuges.

Em junho, o governo federal anunciou que iria suspender o processo de deportação por dois anos para que os candidatos pudessem permanecer nos EUA e tentar resolver seus status.  Mas Renison e continuou a pressionar o Congresso para mudar a lei.

O projeto agora vai para a mesa do presidente Obama.

Fonte: (Da redação)