Publicado em 3/11/2009 as 12:00am

EUA lança campanha contra o tráfico de imigrantes

"O tráfico humano é uma forma moderna de escravidão"

 

O governo americano lançou uma campanha publicitária com cartazes e "outdoors" para educar o público americano sobre os perigos do contrabando e tráfico de pessoas.

A campanha, lançada pelo U. S. Immigration and Customs Enforcement (ICE, sigla em Inglês) é chamado de "Hidden in Plain Sight" (Ocultos a Olho Nu) e explica que as vítimas de tráfico são muitas vezes exploradas sexualmente, agredidas e forçadas a trabalhar contra sua vontade. "O tráfico humano é uma forma moderna de escravidão ", disse o ICE num comunicado.

Dirigindo-se ao público americano, o ICE tem esperanças de erradicar os criminosos culpados de tráfico de seres humanos. "Como a maior agência de investigação do Departamento de Segurança Territorial, o ICE vai investigar, perseguir e prender qualquer indivíduo ou empresas suspeitos de empregar pessoas como escravas", diz a declaração.

"A maioria dos americanos ficará surpreendido ao saber que a escravidão persiste em nossos dias e em comunidades de todo o país", afirmou John Morton, vice-diretor da agência, que também é citado no texto do memorando.

"Porque este crime hediondo é cometido em segredo, é preciso educar as pessoas sobre o tráfico humano. Por isso, pedimos a todos americanos que estejam alertas e que denunciem casos que sejam de seu conhecimento", acrescentou.

Estima-se que 800.000 homens, mulheres e crianças são vítimas do tráfico anualmente em todo o mundo. Muitos são vendidos para a prostituição e para o trabalho forçado, retiradas de suas casas sob falsas promessas de empregos lucrativos, que acabam virando escravidão doméstica. São também vendidos para trabalhos em fábricas, setores agrícolas e outros tipos de trabalhos forçados.

A campanha forneceu um número de telefone e um endereço de Internet para a informação dos abusos. O número de telefone é 866-DHS-2-ICE e o endereço de Internet http://www.ice.gov.

Os pôsteres serão expostos em Atlanta, Boston, Dallas, Detroit, Los Angeles, Miami, Filadélfia, Newark, New Orleans, New York, San Antonio, San Francisco e Tampa.

Fonte: (Do site do ICE, tradução Phydias Barbosa, da ABTN)