Publicado em 11/11/2009 as 12:00am

Candidato ao Senado é contra a anistia para imigrantes

Marco Rubio, um candidato ao Senado dos EUA e que recentemente começou a cortejar a ala conservadora do Partido Republicano, tomou uma posição firme contra a imigração ilegal

 

Faz sentido essa posição, pois quando ele era o poderoso presidente da Câmara da Flórida e por diversas vezes teve às mãos projetos de lei para controlar a imigração ilegal, nunca os levou à votação.


"Muitos estão com raiva dele por ter bloqueado aqueles projetos de lei'', disse David Caulkett, fundador do Floridians for Immigration Enforcement. “Rubio afirma que se opõe à anistia, mas ainda não sei se devemos acreditar nele''.

Rubio disse que não mudou a sua posição à concessão de cidadania aos imigrantes ilegais, mas que o problema deve ser solucionado pelo governo federal, não pelos estados. O Legislativo se concentrou em reformas tributárias e de seguros.

 

"Nós escolhemos uma ou duas questões fundamentais'', Rubio disse em uma entrevista recente. "Estados não podem resolver o problema da imigração ilegal”.

O histórico desse candidato em matéria de imigração está sendo estudado, no  momento em que o problema está na sua agenda e na campanha que desencadeou contra o governador Charlie Crist, a qual está ganhando terreno.

 

O tema Imigração não aparece em nenhuma parte do estudo: "100 idéias inovadoras para o futuro da Flóridah, que Rubio compilou quando era presidente da Câmara. No entanto, agora, está entre os nove temas listados no site de sua campanha.


Ele é filho de exilados cubanos de Miami e diz que se opõe à proposta apresentada em 2006 pelo ex-senador Mel Martinez - cujo abandono precoce fez com que Rubio adiantasse sua campanha para o Senado em 2010. A proposta de Mel Martinez sugeria a permissão para que imigrantes ilegais solicitassem a cidadania. Crist aprovou o projeto de lei.


Em sua campanha, Rubio por diversas vezes, menciona o termo "estrangeiros ilegais'', um termo jurídico que pode ser ofensivo, no ponto de vista de muitos ativistas.

"O tom dele sobre o assunto mudou, por motivos políticosh, disse o deputado Juan Zapata, membro do comitê executivo do Conselho Nacional Hispano de Legisladores Estaduais, que apóia o governador Crist.


Depois que a reforma das leis de imigração entraram em colapso no Congresso, as assembléias estaduais de todo o país foram convidadas a tomar medidas sobre o assunto. Em 2008, foram estudados 1,305 projetos e 206 entraram em vigor, de acordo com a Conferência Nacional dos Legisladores Estaduais.

Em 2009, os seis projetos de lei na Flórida penalizavam os agricultores que contratavam trabalhadores ilegais, exigiam prova de cidadania para que um empregado recebesse benefícios do governo, pediam à polícia para entregar os suspeitos de serem imigrantes ilegais e permitiam a deportação de indocumentados que cumpriam penas de prisão.

 

Como presidente da Casa, Rubio decidia se os projetos de lei eram apresentados ao plenário ou não. Os projetos de lei de imigração foram debatidos, então, em plenário público, permitindo aos legisladores ouvirem ativistas de ambos os lados, sem que tivessem que votar.

 

David Rivera, deputado estadual por Miami, fez um discurso inflamado sobre as contribuições econômicas dos trabalhadores que se encontram em situação irregular para a economia da Flórida, como jardineiros, empregadas domésticas, trabalhadores agrícolas e “diswashers”.

Fonte: (Tradução - Phydias Barbosa)