Publicado em 17/12/2010 as 12:00am

Ativistas se reúnem pedindo o fim do 'Secure Communities'

O programa federal dá poderes a policiais locais de verificarem e encaminharem para o ICE, através da coleta de impressões digitais, imigrantes que causarem alguma atitude 'considerada delito'

 

Ativistas a favor dos imigrantes afirmaram essa semana, que estão esperando que documentos internos do Immigration and Customs Enforcement  - ICE relativos ao programa piloto `Secure Communities`, sejam liberados para o acesso público, após a solicitação de um juiz federal. Eles querem saber porque o Departamento de Segurança Interna anunciou recentemente que  ‘não poderá abrir mão do programa para atender à expectativa no controle da imigração indocumentada”.

Os estados de Washington e Virgínia, também já afirmaram que querem implantar o programa em algumas de suas cidades. Os críticos do programa afirmam que cerca de um quarto dos deportados não tinham antecedentes criminais, já que os suspeitos tiveram suas impressões digitais verificadas por infrações menores, permitindo, assim, que os funcionários do ICE iniciassem processos de deportação contra eles. Eles afirmam o programa já deportou mais de 50.000 imigrantes desde a sua criação em 2008, dificultando a comunicação entre os imigrantes  e a polícia local,  uma vez que os imigrantes com medo de deportação não são suscetíveis de se apresentarem como testemunhas em processos judiciais que envolvem crimes  graves ou até mesmo realizarem denúncias.

Inicialmente, a secretária de Segurança Interna,  Janet Napolitano,  parecia consciente e atenta a estas preocupações, em uma carta de Setembro  para a deputada Zoe Lofgren, na qual dizia que os municípios que desejassem se desvincular do programa, poderiam fazê-lo. Em agosto, o ICE lançou um documento, que já não está disponível em seu site, sugerindo que houvesse uma maneira para que essas cidades pedissem a retirada do programa. Porém, no dia 5 de Outubro, Napolitano realizou uma conferência afirmando que o programa será aplicado em todo o país até 2013, sendo obrigatório para as cidades definidas.


Os críticos do programa, querem esclarecimento pela mudança brusca na política, e talvez até mesmo interromper a execução do programa. “ Eu acho que existem sérias questões legais que permanecem duvidosas na autoridade do Homeland Security em exigir a participação das cidades” afirmou Chris Newman da National Day Laborers Organizing Network,  à agência Associated Press. A organização se reuniu com outras duas para processar o ICE, cobrando o programa ‘Secure Communities’, e também requerer a exclusão do programa. Além das ONGS, também estão participando do manifesto, ativistas em Massachusetts.

A iniciativa, que tem suporte federal, é um esforço do governo Obama para atingir a meta de 400.000 deportações para esse ano. Os policiais ficam responsáveis por verificar e encaminhar para o ICE, através da coleta de digitais, imigrantes que causarem alguma atitude ‘considerada delito’. As cidades de San Francisco, Chicago e Washington D.C. tem lutado para bloquear o programa em suas localidades. Já um porta-voz da prefeitura de Boston, não confirmou se a cidade fará parte da iniciativa.

Fonte: (Da redação)