Publicado em 20/12/2010 as 12:00am

Massachusetts autoriza policiais estaduais a atuarem como ICE

A equipe de reportagem do BT entrou em contato com o diretor do Office for Refugees and Immigrants do Governo de Massachusetts, Richard Chacon, para esclarecer pontos da iniciativa

 

Por Marcelo Zicker


Em uma decisão que pegou todos os imigrantes do estado de surpresa, o governo de Massachusetts anunciou que o controverso programa ‘Secure Communities’ , que autoriza policiais locais a verificarem e encaminharem para o ICE, através da coleta de digitais, informações sobre indocumentados que forem presos por algum delito, incluirá agora o Departamento de Polícia Estadual. Em Massachusetts, somente a Polícia local de Boston acolhia uma versão piloto do programa até o momento.

Aqueles que forem presos por qualquer tipo de ofensa terão suas digitais coletadas e enviadas automaticamente para o banco de dados do Immigration and Customs Enforcement  (ICE). A equipe de reportagem do BT entrou em contato com o diretor do Office for Refugees and Immigrants do Governo de Massachusetts, Richard Chacon, para esclarecer pontos da iniciativa. “ O principal motivo da expansão do programa foi para causar a cooperação entre as autoridades no combate aos indocumentados que estão aqui ameaçando a segurança dos cidadãos do estado. O foco é prender e deportar aqueles que cometerem crimes graves como homicídio, estupro,  roubo, estelionato. Não há motivo para que indocumentados que atuam em acordo com a lei, se preocupem” revela Richard, salientando que,  por determinação federal, o programa será obrigatoriamente aplicado em todo o país até 2013.

Logo após o anúncio do programa de expansão, um porta-voz do ICE, Ross Feinstein, disse que mesmo que a prioridade seja apenas os criminosos, qualquer pessoa que esteja ilegalmente no país e que seja presa, poderá ser deportada. “ Não podemos fingir que não vemos aqueles que estão aqui de forma irregular. Nossa função é trabalhar na aplicação das leis de imigração, e a atuação dos policiais vai gerar mais discrição no nosso trabalho” disse o porta-voz, em comunicado. O Secure Communities é aplicado em 34 estados atualmente.

Segundo dados federais, 230 imigrantes foram deportados de outubro de 2008 até julho desse ano, sob aplicação do programa piloto em Boston, que foi iniciado em 2006. Dentre eles, 125 deportados foram classificados como não-criminosos. “ É importante que haja essa diferenciação entre aqueles que são criminosos , e aqueles que cometeram algum delito passível de prisão. Esse será o grande desafio, por isso o governo estadual está concentrando esforços no treinamento das policiais locais e dos oficiais estaduais, no sentido de criar esse discernimento” afirma Richard, ao ser perguntado sobre como policiais vão atuar ao parar imigrantes que não tenham carteira de motorista ou que estejam com o seguro do carro vencido. “ Também faremos uma campanha educacional na própria comunidade, alertando os imigrantes dos riscos, e das novas regras” completa.

Richard também afirma que há uma forte preocupação em manter um laço de confiança entre imigrantes e a polícia, e não fazer com que eles sintam medo de serem deportados por denunciar crimes ou serem testemunhas em casos judiciais. “ Sem dúvida, uma das prioridades do programa é causar ainda mais aproximação com a comunidade, de forma a esclarecer de que a policia não está ali para deportá-los e sim para combater aqueles que estão cometendo crimes. Queremos uma polícia mais apta a comunicar, a se relacionar , a abordar os imigrantes de forma mais eficiente e que passe, principalmente, confiança” revela o diretor. O chefe de polícia de Everett – MA, Steven A. Mazzie ,  afirmou ao jornal Boston Globe que apóia a expansão. “Segundo eles disseram, o foco realmente será nos criminosos graves. Então acho que é uma boa maneira de retirá-lo de nossas ruas e comunidades” disse Steven. 

O anúncio já reverbera com tristeza e decepção entre grupos pró-imigrantes. O Grupo Mulher Brasileira lançou um comunicado à imprensa, condenando a iniciativa. “O GMB está chocado. A decisão do governador Deval Patrick de expandir o programa Comunidades Seguras é uma traição , o mesmo que apunhalar alguém pelas costas” afirmou a presidente da entidade, Heloísa Galvão, em artigo enviado à nossa redação. Heloisa conclama a todos os brasileiros a não se calarem diante do fato. “Peguem seus telefones agora mesmo e liguem para o gabinete do Governador. Ele precisa saber da nossa desilusão, frustação por essa atitude. Manifeste sua insatisfação no número (617).725.4005, ou mande uma fax para (617).727.9725” orienta a ativista.

 


Fonte: (Da redação)