Publicado em 11/03/2011 as 12:00am

Em Fórum, panelista pede o fim do uso do termo 'Ilegal'

A professora Aviva Chomsky também afirmou que '100% da economia americana é formada pela exploração de mão-de-obra imigrante'

Na terça – feira(08), foi realizado na Worcester State University, um fórum sobre Imigração,que discutiu diversos imbróglios relacionados ao tema, principalmente o tratamento da mídia e das autoridades com os imigrantes.
Ocorrido no Center of The Study of Human Rights, o fórum contou com a presença da professora de história e coordenadora do setor de Estudos Latino-Americanos da Universidade Estadual de Salem, Aviva Chomsky. Ela defendeu um maior cuidado no uso de adjetivos para se referir aos imigrantes, condenando o uso do termo ‘imigrante ilegal’ e afirmando que a economia dos EUA é 100% formada pela exploração de trabalho imigrante, segundo reportou o jornal Telegram.
Além de Aviva, outros dois panelistas falaram à platéia presente, defendendo uma política mais compreensiva com os indocumentados do país. Aldo V. Garcia Guevara, é diretor da Worcester State's Center for the Study of Human Rights e Sue Schlotterbeck, diretora de Cultura e Linguagem da Edward M. Kennedy Community Health Center também falaram ao público. Ainda segundo Aviva, muitos indocumentados pagam impostos e contribuem com mais de $7 bilhões para os cofres do Social Security.
Um representante da Massachusetts Immigration and Refugee Advocacy Coalition – MIRA, Sarang Sekhavat, discursou contra o programa Secure Communities, que vai permitir que a polícia local e estadual, compartilhe informações imigratórias de indivíduos presos com o ICE, através da coleta de impressões digitais.  Ele disse  que o programa vai ferir a confiança entre a comunidade e a polícia, desencorajando as pessoas à denunciarem crimes de violência doméstica, e também incentivando a discriminação racial.
Os panelistas também defenderam uma reforma imigratória ampla e de nível federal, além da concessão de in-state tuition para os jovens indocumentados do estado. 

Fonte: (da redação)

Top News