Publicado em 27/04/2011 as 12:00am

Mulher que agenciava casamentos falsos é sentenciada

Angela Roy, de 37 anos, poderá pegar até 5 anos de prisão e uma multa de $250.000 pelo crime de formação de quadrilha e fraude em casamentos

Uma mulher de Maine que era acusada de agenciar dezenas de casamentos fraudulentos, incluindo familiares e amigos, principalmente em Massachusetts, foi condenada na quarta-feira(13), por um juiz do estado, e poderá pegar até 5 anos de prisão e uma multa de $250.000, durante o seu julgamento.

Angela Roy, de 37 anos, foi condenada por um juiz federal, por atividades que ele descreveu como de ‘planejamento e recrutamento’ em matrimônios fictícios.  Durante as investigações, foi deflagrada a participação de Angela em um esquema de ‘procura de imigrantes’ que estivessem interessados em casar com um cidadão norte-americano para conseguir a cidadania do país. Mediante o pagamento de uma taxa para a agenciadora, muitos brasileiros e outros imigrantes conseguiram a legalização através de um casamento falso.

“ Ela foi à Massachusetts porque teria sido difícil convencer os cidadãos de Maine. Então a acusada contratou familiares e amigos para serem os próprios protagonistas dos casamentos falsos e começou a atuar por New England” afirmou o juiz John Woodcock, durante a declaração da sentença, que durou 90 minutos. “ Os indivíduos concordaram em fazer parte da fraude ganhando uma porcentagem no pagamento, e desde então ela ampliou suas atividades, se tornando uma grande agenciadora de casamentos falsos” completou o juiz, segundo informações do jornal Sun Journal.

Segundo as investigações, Angela teria participado de 16 casamentos, desde o processo de apresentação dos noivos até mesmo a solenidade de casamento. Ela assinou como testemunha de casamento de 7 dos casos, e em 2004, fez parte do seu próprio negócio, se casando com um indocumentado em troca de dinheiro. “Me desculpem por envolver o nome da minha família naquilo que criei. Eu sei que tenho que ir para a prisão. Eu tenho que mostrar para as mulheres que existem outras opções para seus futuros” disse a acusado durante o julgamento, admitindo culpa nos casos, que incluíram brasileiros da área de Boston – MA.

Um dos principais casos que levaram para o início das investigações, envolveram a condenação de um dos cúmplices da acusada, James Mbugua, de Springfield – MA, que desapareceu e foi considerado fugitivo pela justiça.

Em adição ao tempo de prisão, o juiz do caso sentenciou Angela a 3 anos de prisão domiciliar e supervisionada, e também penalidades financeiras. 

Fonte: (da redação)