Publicado em 6/05/2011 as 12:00am

Governador de Illinois diz 'Não' ao Secure Communities

Em Massachusettts, ativistas e grupos pró-imigrantes ainda trabalham para evitar a implementação do projeto

O governador de Illinois, Pat Quinn, afirmou na quarta-feira(04), que pretende não assinar o Secure Communities no estado. Assim como Illinois, outros estados já manifestaram sua oposição ao programa, enquanto Massachusetts já trabalha para a implementação da iniciativa.

O projeto, que daria poderes a policiais locais e estaduais de enviarem informações migratórias ao ICE, de imigrantes que fossem presos por algum delito mesmo que não-violento, preocupa o governador com respeito a relação entre as comunidades e o departamento de polícia. Em carta enviada ao U.S. Immigration and Customs Enforcement (ICE), Quinn revelou a sua oposição ao programa.

Em Massachusettts, diversos ativistas e grupos pró-imigrantes, ainda trabalham para evitar a implementação do projeto, com protestos e encontros com autoridades. “Essa não é uma lei inevitável. Existe muita pressão na administração Obama para não deixar isso acontecer. Nós podemos evitar isso” afirma o diretor de políticas federais, Sarang Sekhavat, à rede de TV Fox News Latino. O programa já existe na cidade de Boston, em formato piloto, desde 2006.

De outubro de 2008, até o fim de março, o ICE teria deportado 101,741 imigrantes sob aplicação do programa,  incluindo  72,445 imigrantes condenados por crimes. Ativistas porém, afirmam que o número de imigrantes não-criminosos que foram pegos pelo programa é muito alto.

Além de Illinois, a Califórnia manifestou o desejo de não assinar a iniciativa.

Escutas Públicas em MA tem gerado polêmica

A tensão e os ânimos esquentados marcaram a realização do penúltimo encontro para discutir o Secure Communities. O quinto evento, que foi promovido na High School de Chelsea –MA no dia 28, contou com grande participação de ativistas a favor dos imigrantes, que testemunharam contra a implementação do programa e a favor dos indocumentados.

Entre as autoridades estaduais, estiveram presentes a secretária de Segurança Pública do Estado de Massachussets, Mary Elizabeth Heffernan, e o sub-secretário de Segurança Pública, Kurt Wood, que esclareceram sobre o programa e tiraram dúvidas dos presentes. O encontro surpreendeu pelo pequeno número de ativistas anti-imigração que, acuados, pouco se manifestaram diante das centenas de imigrantes que compareceram à escola em Chelsea.  O discurso de obrigatoriedade da assinatura foi novamente colocado em pauta por Heffernan e Wood, que tiveram que contornar um ambiente de tensão no momento dos testemunhos. Apesar de um grande público presente, o número de brasileiros foi considerado pequeno. “ Estou realmente decepcionado com a comunidade brasileira. Chamei vários amigos e nenhum deles compareceu. Eles querem documentos mas não correm atrás” disse o mineiro Adenilson dos Santos, que reside em Somerville há 8 anos. “ O EUA é o meu sonho que virou pesadelo. Se antes a gente já tinha medo, agora que não vamos confiar na polícia mesmo. Essa lei  vai dar ainda mais chance de os indocumentados serem chantageados por aqueles que estão legais, porque eles sabem que teremos medo de denunciar” completa o brasileiro, que esteve presente com outros dois amigos. “ Se eu precisar da polícia um dia, vou pensar duas vezes antes de ligar. Estou até pensando em voltar pro Brasil se essa lei for mesmo assinada” afirma Maciel de Souza, que mora em Melrose e trabalha com construção.

Fonte: (da redação)

Top News