Publicado em 23/05/2011 as 12:00am

Carta pede ao governador de MA para não assinar lei

O Grupo Mulher Brasileira fêz um apelo ontem à comunidade brasileira para que assine a carta que será encaminhada ao Governador Deval Patrick pedindo que ele não assine o Memorando de Concordância com a imigração

O Grupo Mulher Brasileira fêz um apelo ontem à comunidade brasileira para que assine a carta que será encaminhada ao Governador Deval Patrick pedindo que ele não assine o Memorando de Concordância com a imigração (ICE) para implantação no estado do programa "Comunidades Seguras". A carta foi escrita pelo Sindicato das Liberdades Civis (ACLU). Há informações não confirmadas de que o Governador poderá tomar uma decisão no início da semana, por isso, as assinaturas à carta devem ser feitas o mais rápido possível.

“Temos muitos comerciantes na nossas comunidades e muitas empresas jornalísticas, a maioria são conhecidas do Governador e até contribuiram para sua campanha de releição, Temos lideranças religiosas e temos pessoas ativamente políticas. É importante que todas se pronunciem para que o governador entenda que este programa não vai tornar nossa comunidade mais segura. Pelo contrário, este é um programa que deveria ser chamado ‘comunidades inseguras’”, disse a diretora-executiva do Grupo, Heloisa Maria Galvão.

A carta pode ser assinada e enviada para o email - nancy@aclum.org, ou telefonando para 617-482-3170 ramal 314 e deixando uma mensagem com o nome da organização. A carta também pode ser assinada através de link no site do Grupo Mulher Brasileira.

 

Confira a carta enviada ao governador

 

Carta Pública para o Governador Patrick em resposta a sua decisão em assinar o Secure Commuities Program da ICE.

 

Governador Deval Patrick

Gabinete do Governo

Massachusetts State House

Suite 280 - Boston, MA 02133

                                                                                                                                22 de dezembro de 2010.

Caro Governador Patrick:

 

Em nome das comunidades imigrantes com as quais trabalhamos e da aliança das igrejas e das organizações que tomam a posição solidária, vimos respeitosamente exigir que vossa pessoa se resguarde, em sua posição de administrador, de assinar em favor do Homeland Security, denominado de uma maneira simples como Secure Communities. Pelo o fato de não acreditarmos nessa lei, devido à mesma possuir muitas falhas que dão abertura a diversas interpretações  que são ‘amassados que necessitam serem passados a ferro”, insistimos com veemência que o senhor não deve assinar, mas deve pôr Massachusetts encabeçando a  lista dos estados que estão questionando esta lei e seus efeitos na atuação da polícia na comunidade, ou seja, quando a mesma estiver atuando, a mesma usará  esta lei como recurso ao invés de simplesmente respeitar infração do momento em que o imigrante foi autuado. Esta é uma implicação perigosa no âmbito pessoal e de privacidade dos cidadãos e dos residentes  dos EUA pelo o grande número de detenções baseadas no racismo  que ocorrem sempre que uma lei como esta é aprovada.

Ao votar contra o DREAM Act, o Senador do Arizona, Jon Kyl disse: ‘Tratar os sintomas do problema pode nos fazer sentir melhor, porém, essa atitude pode dar abertura para que ocorra uma metástase”. No que diz respeito a medidas imigratórias desumanas, não poderíamos deixar de concordar com ele. De acordo com as estatísticas da própria ICE, em Boston, mais da metade dos deportados sob a lei Secure Communities não eram criminosos, enquanto menos de um quarto eram condenados por crimes do pior escalão, que, de acordo com a ICE, são o alvo da  lei em questão. Esta não é uma margem de erro aceitável, a não ser que o objetivo das autuações  sejam TODOS os imigrantes ilegais. Separar famílias devido à deportação daqueles que não são criminosos usando a desculpa esfarrapada de que estão à procura de criminosos é tratar sintomas falsos com um remédio “eficaz”. O estado de Massachusetts deveria estar liderando a nação na cobrança da reforma imigratória junto ao Governo Federal. Reforma essa, que trata das causas reais do problema e não, de uma maneira cega, pulando para dentro do barco de leis desonestas e prejudiciais que pendem para o lado da violação do direitos civis.

Para finalizar, reiteramos nossa exigência na sua recusa em assinar a lei e em trazê-la para o estado de Massachusetts e que o senhor faça um pronunciamento público retirando o que foi anunciado na semana passada sobre esse assunto. Temos a sensação de que há um estrago para a reputação da comunidade imigrante e de seus aliados, causado por esse maléfico e obscuro pronunciamento, um diálogo honesto e transparente com a comunidade imigrante e com as organizações que trabalham com eles, seria o ideal e não o que tem ocorrido. Estamos dispostos a dialogar com vossa pessoa e com seus representantes sobre esse assunto.

 

 Respeitosamente:

American Friends Service Committee-Project VOICE

American Civil Liberties Union of MA

ANSWER Coalition

American-Arab Anti-Discrimination Committee of MA

Brazilian Immigrant Center

Brazilian Women’s Group

Boston Interpreters Collective

Boston May Day Committee

Boston New Sanctuary Movement

Cambridge United for Justice with Peace

Centro Presente

Chinese Progressive Association (CPA)

CORES

Greater Boston United for Justice with Peace

Immigrant Worker Center Collaborative (IWCC)

Immigration Pastoral Center- Diocese Of Saint Francis of Assisi

Immigration Task Force of First Parish in Cambridge

Jobs With Justice - MA

Massachusetts Global Action

MassCOSH

Matahari - Eye of the Day

Metrowest Worker Center

Neighbors United for a Better East Boston (NUBE)

The Network/La Red

Somerville Community Corporation (SCC)

Student Immigrant Movement (SIM)

Unitarian Universalist Association of Congregations

United for a Fair Economy

The Welcome Project

Fonte: (da redação)

Top News