Publicado em 15/07/2011 as 12:00am

Fronteira com EUA está reduzida a notícias trágicas, diz escritor

A fronteira do México com os Estados Unidos é um espaço 'trágico' que foi brutalmente simplificada até o ponto de ser vista atualmente

A fronteira do México com os Estados Unidos é um espaço 'trágico' que foi brutalmente simplificada até o ponto de ser vista atualmente apenas como palco de fatos violentos, declarou nesta quarta-feira, o escritor mexicano Luis Humberto Crosthwaite.

'O que acontece é que agora as notícias focam muito na violência e no narcotráfico, e a fronteira está tão submetida a esses termos que apenas uma tragédia dessa natureza vai ser mencionada', explicou o autor do livro 'Instrucciones para Cruzar La Frontera' ('Instruções para Atravessar a Fronteira', em tradução livre).

'Minha intenção é levar notícias da fronteira norte do México ao mundo, e me expressar de maneira quase religiosa', comentou Crosthwaite.

Para o escritor e jornalista, a fronteira que separa México e EUA ao longo de mais de três mil quilômetros é uma fonte de histórias quase infinita. 'Fronteiras podem ser também os obstáculos que temos que superar a cada dia ou uma metáfora de algo que nos exige muito esforço para alcançar', acrescentou.

O ex-colaborador do jornal americano 'San Diego Union Tribune', fundado por um antepassado seu de origem irlandesa, lamentou que o cruzamento diário de imigrantes ilegais tenha gerado 'uma rejeição e um antagonismo impressionante nos EUA em relação ao México'.

Crosthwaite considera ‘um absurdo um país de imigrantes como os EUA, rejeitar a imigração' em uma região que tem a singularidade de pôr em contato 'um país do Terceiro Mundo e um do Primeiro Mundo no mesmo local’.

Fonte: (da redação)