Publicado em 5/10/2011 as 12:00am

Estudantes questionam o futuro após a faculdade

Rhode Island foi o décimo terceiro estado a aprovar o 'in-state tuition'

Após alguns estados colocarem em vigor uma lei que permite aos estudantes indocumentados pagarem as mesmas taxas que cidadãos dos Estados Unidos em universidades, muito se discute como a medida vai de fato influenciar no futuro desses jovens. Isso já significa uma vitória considerável na luta pela legalização neste país. Mas uma questão paira sobre as cabeças de todos eles: “O que fazer depois que concluir a faculdade?”

Esta questão surgiu porque o governo apenas está dando direito aos indocumentados de pagarem taxas menores para concluir os estudos. O problema é que após a conclusão, todos baterão de frente com a questão de não ter documentação para conseguir um emprego. Não basta apenas o diploma. É preciso ter autorização para trabalhar no país, e sobre isso, até agora nada foi falado.

Em Rhode Island, esta preocupação parece ser mais forte. O estado foi o décimo terceiro a permitir igualdade nas taxas cobradas em faculdades para imigrantes indocumentados. Várias reuniões estão acontecendo nos sentindo de preparar o futuro para os estudantes, caso não aconteça nenhuma mudança nas leis de Imigração que proporcione um caminho para a cidadania.

Os estudantes conseguiram direito de cursar uma faculdade em igualdade com o cidadão norte-americano, mas após pegar o diploma precisará de documentos norte-americanos para conseguir emprego. Justamente este assunto que está em pauta nas reuniões promovidas pelos próprios imigrantes.

O guatemalteco Antônio Albizures-Lopes, 20 anos, disse que conhece muitos casos de estudantes que conseguiram se formar, mas hoje são obrigados a trabalharem em restaurantes, ganhando um salário mínimo, devido à falta de documentos. Ele chegou aos Estados Unidos ainda bebê, e luta para conseguir se legalizar no país. “O melhor caminho é aprovar o Dream Act, que fornece um caminho para a cidadania. Isso porque o In-State Tuition apenas te permite cursar faculdades e pagar taxas iguais às dos cidadãos deste país”, salienta.

A brasileira Amanda Pereira, 18 anos, chegou ilegalmente nos EUA quando tinha seis anos, trazida pelos seus pais. Ela fala que os estudantes indocumentados ainda estão em um beco sem saída, pois ter o diploma não significa emprego neste país. “Mas não podemos perder as esperanças, pois com um diploma nas mãos podemos tentar a legalização através de um empregador”, fala. “Precisamos continua empurrando o Dream Act”, conclui.

Aprovado na semana passada e previsto para entrarem vigor no outono de 2012, já existem três instituições em RI que atenderão imigrantes indocumentados através do In-State Tuition.

Além de RI, os estados que permitem que estudantes indocumentados paguem as mesmas taxas que os norte-americanos são: Califórnia, Connecticut, Illinois, Kansas, Maryland, Nebraska, Novo México, New York, Texas, Utah e Washington.

Fonte: (Luciano Sodré)