Publicado em 24/01/2012 as 12:00am

Lei "anti-imigrante" do Alabama divide comunidade religiosa

O Alabama, nos Estados Unidos, vem se destacando como um dos estados mais rigorosos no combate à imigração ilegal.

O Alabama, nos Estados Unidos, vem se destacando como um dos estados mais rigorosos no combate à imigração ilegal. Nos recentes meses, algumas leis foram criadas para impedir a sobrevivência de imigrantes na região. Isso gerou uma grande polêmica e separou as comunidades, através das diversas opiniões. Além disso, várias famílias foram dividas depois que a “perseguição” teve início.

Os estados da Arizona, Georgia, Utah, Carolina do Norte e Indiana também aprovaram leis relacionadas à imigração ilegal. Os seus governantes afirmam que estão cansados da inércia do Governo Federal diante do assunto. Mas nenhum deles foi tão longe quanto o Alabama, cuja lei tem sido destaque como uma das mais radicais do país.

Atualmente, os imigrantes que vivem no Alabama sofrem uma das mais duras perseguições imposta nos Estados Unidos. Entre os itens aprovados, está a proibição de alugar casas para quem não possui residência no país, obriga as escolas públicas a identificar os alunos indocumentados e aplica penalidades a quem for pego dando carona para imigrantes em situação ilegal.

Um dos segmentos afetados foi o religioso, que está dividia em suas opiniões.  Alguns manifestos foram feitos para combater a lei HB-56, considerada extremamente racista e prejudicial à comunidade. Pelo menos quatro bispos abriram um processo contra o estado, alegando que isso tem comprometido o direito de livre exercício da religião e ataca a Bíblia, quando ela diz para todos “serem bons samaritanos”.

Alguns religiosos estão preocupados, porque através desta lei eles estão proibidos de oferecer caronas aos seus fiéis para eventos da igreja, tais como casamentos, batismo, entre outros. Diante disso, as irmãs e monges da Ordem de São bento uniram forças com outros líderes, empresários e algumas autoridades no sentido de processar o Estado.

Mesmo com o apoio de uma grande parcela da comunidade religiosa, o tema “imigração ilegal” ainda é bastante polêmico e tem gerado controvérsias. Embora maioria dos líderes pede clemência aos imigrantes, uma grande parte dos fiéis caminha do outro lado, afirmando que a imigração ilegal tem feito um grande mau para o país. Os dois lados têm usado a Bíblia para justificar suas posições em relação ao assunto.

Estas divergências tem levantado uma polêmica que segue paralelo ao assunto – até que ponto a religião deve infleunciar na opinião das pessoas quanto à imigração ilegal? – e isso gerou muita discussão na última semana. “O HB-56 nos impede de sermos católicos e exercer nosso cristianismo e cumprir o ministério para qual Deus nos indicou”, ressaltou a Irmã Marie Lynn McKenzie, uma freira do Ministério Sagrado Coração.

Ela cita parte das Escrituras Sagradas para justificar sua posição. “A Bíblia diz que quando eu estava com fome, você me alimentou. Quando eu estava só, você me confortou. Quando eu estava na prisão, você me visitou. Em nenhuma parte ela escritura diz que se eu tivesse a documentação, então você me deu comida", fala.

Outra parte da Bíblia citada pelos defensores dos imigrantes é que Deus ordena que todos precisam mostrar compaixão e justiça para os estrangeiros. Desta maneira as divergências continuam e o processo contra o Estado promete ficar mais acalorado nas próximas semanas.

Fonte: (Texto por Luciano Sodré)

Top News